IFA: o que é o ingrediente que falta para as vacinas e por que o Brasil ainda não o produz?

IFA: o que é o ingrediente que falta para as vacinas e por que o Brasil ainda não o produz?

Compartilhe à vontade!!!

Fabricação da matéria-prima dos imunizantes no Brasil permitirá a produção nacional de doses para dar prosseguimento à campanha de imunização

Em meio à escassez de seringas, agulhas e oxigênio, o Brasil enfrenta agora a falta do ingrediente farmacêutico ativo (IFA). Apesar do nome complicado, nada mais é do que a substância que faz uma vacina proteger as pessoas – fabricá-la por aqui permitirá ao país produzir doses a todo o vapor e deslanchar de vez a campanha de imunização contra o coronavírus.

O IFA é o ingrediente que provoca a resposta imunológica no organismo das pessoas para que, quando o corpo entrar em contato com o vírus selvagem, o indivíduo não adoeça gravemente. Na prática, é a matéria-prima da vacina, assim como a laranja é para o suco, a cevada para a cerveja e a uva para o vinho: sem IFA, a injeção é só uma mistura de líquidos que não servem para proteger ninguém (veja abaixo os ingredientes de uma vacina).

— Se fizéssemos um suco de laranja, o IFA seria o concentrado de laranja. É o princípio ativo da vacina que desencadeia a imunização. Quando o IFA vem pronto, a gente segue o passo a passo de produzir a vacina. O que não sabemos, ainda, é como produzir o IFA do zero para juntá-lo com o que é necessário para fazer a vacinação — resume a biomédica Mellanie Fontes-Dutra, doutora em Neurociência e coordenadora da Rede Análise Covid-19.

Cada laboratório desenvolveu uma receita diferente para seu IFA – portanto, a matéria-prima da vacina de Oxford/AstraZeneca, com parceria no Brasil com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), não é a mesma daquela usada para a CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan. Nem mesmo vacinas com tecnologias iguais de fabricação, como a Pfizer e a Moderna, que usam RNA mensageiro, têm IFA parecido.

No caso da vacina de Oxford, que usa a tecnologia de vetor viral, o IFA é composto por adenovírus vivo e manipulado para não gerar risco às pessoas. Já o IFA da CoronaVac é composto pelo Sars-Cov2 “morto” e usado para estimular a resposta do organismo. No momento, ambos são importados da China.

— O IFA da vacina da Fiocruz é um adenovírus que causa gripe em chimpanzé e nem serve para a célula humana. Você tira o miolo do vírus e a capacidade dele de ficar se replicando e coloca um pedacinho do código genético do Sars-Cov2 que não cause doença, mas que seja suficiente para o sistema imunológico montar a defesa — explica a imunologista Viviane Boaventura, membro da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI), pesquisadora da Fiocruz e professora da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Transferência de tecnologia

O processo de transferência de tecnologia firmado com os laboratórios AstraZeneca e Sinovac para que o Brasil produza vacinas por conta própria – e consiga fabricar doses em um ritmo suficiente para a campanha de vacinação dar certo – é dividido em três etapas.

Na primeira, importamos as vacinas prontas e apenas envasamos e rotulamos as injeções para a distribuição. É o caso das 6 milhões de doses da CoronaVac que circulam nesta semana no Brasil e das 2 milhões de unidades da vacina de Oxford produzidas no Instituto Serum que ainda não foram enviadas pela Índia.

Na segunda etapa, Butantan e Fiocruz importam o IFA pronto para, no Brasil, uni-lo a outros ingredientes e envasar as doses. É nessa fase que o processo está empacado agora.

O Butantan já recebeu lotes de IFA e conseguiu finalizar a produção de 4,8 milhões de doses da CoronaVac, para as quais pediu à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorização de uso emergencial. Mas a entrega das 46 milhões de doses aos brasileiros, firmadas em contrato com o Ministério da Saúde, está ameaçada porque a matéria-prima, apesar de ter sido liberada pela Sinovac, aguarda o aval do governo da China.

Em entrevista ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha, o coordenador executivo do Centro de Contingência da Covid-19 em São Paulo, João Gabbardo dos Reis, afirmou nesta quarta-feira (20) que a expectativa é de que todas as etapas da vacina sejam realizadas no Brasil até o fim do semestre.

— Vamos aprender com eles (a empresa chinesa) como se produz. Isso deve ocorrer no Butantan no final deste semestre. A partir daí, não dependeremos mais da importação desse produto. Isso vai ser feito aqui no Brasil. Essa transferência de tecnologia ocorre desde o início, é um processo mais demorado, exige uma aprendizagem dessa nova tecnologia — projeta Gabbardo. 

A Fiocruz sequer recebeu o IFA do laboratório chinês WuXi, contratado pela AstraZeneca para unir os ingredientes e produzir a vacina de Oxford: a previsão era de chegada em dezembro, depois passou para 12 de janeiro e, agora, espera-se que chegue em 23 de janeiro, como estipulado no contrato. De toda forma, o calendário de produção, previsto para iniciar nesta quarta-feira a fim de entregar os primeiros lotes da vacina de Oxford em fevereiro, já caducou, e a Fiocruz adiou a distribuição das primeiras doses para março.

Na terceira e última etapa, Butantan e Fiocruz passarão a fabricar o IFA após a transferência de tecnologia, e não será mais preciso comprar o ingrediente no Exterior.

— Aprenderemos quais equipamentos usar, quais são os processos, quais as etapas dos processos, qual é a receita da vacina, como cultivar o vírus, como inativar o vírus para a CoronaVac, qual a quantidade de vírus que precisa pôr em uma concentração. A transferência de tecnologia abrange esses pontos todos — diz a enfermeira Mayra Moura, mestre em Tecnologia de Imunobiológicos pela Fiocruz e diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

— A transferência de tecnologia é para não começarmos a produção da vacina do zero. Alguém descobriu a vacina, e nós estamos comprando o know-how dessas indústrias. Todo mundo ganha porque quem vende garante uma quantidade de venda absurda e a longo prazo, e quem compra, adquire um conhecimento e forma pessoas. Até agosto e setembro, a gente dependerá de importar o IFA para as duas vacinas. Hoje, com a situação política atual, isso é um problema, mas não deveria ser. Em 15 anos de carreira, nunca vi termos problema porque o IFA vinha de fora. Butantan e Bio-Manguinhos trabalham há anos com transferência de tecnologia — observa Mayra.

Para fabricar essa matéria-prima, as duas instituições precisam ampliar suas fábricas. A Fiocruz investiu US$ 15 milhões no Laboratório de Bio-Manguinhos, no Rio de Janeiro. Já o Butantan deve terminar a ampliação no segundo semestre. O problema do Butantan é ter já começado a produzir doses com IFA importado, mas deter ingrediente suficiente apenas para assegurar a produção em janeiro. 

Questão política

As negociações com a China estão empacadas e são afetadas pela relação ruim do governo Jair Bolsonaro com o país asiático. Para azeitar a negociação, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, se reuniu com o embaixador Yang Wanming nesta quarta-feira (20). Em entrevista à GloboNews, o parlamentar relatou que o discurso do diplomata é de que o entrave é técnico, não político. 

No entanto, parlamentares, governadores e analistas de relações internacionais afirmam que o obstáculo é efeito das atitudes grosseiras contra a China conduzidas pelo governo, pelo deputado Eduardo Bolsonaro, presidente da comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, e pelo chanceler Ernesto Araújo.

O Fórum de Governadores, encabeçado pelo governador do Piauí, Wellington Dias, protocolou nesta quarta (20) ofício ao presidente Bolsonaro solicitando um diálogo diplomático entre o governo brasileiro e China e Índia para assegurar a continuidade da campanha de vacinação no Brasil. O vice-presidente Hamilton Mourão, em declaração também nesta quarta, atribuiu o entrave à “geopolítica da vacina” e aos interesses chineses e indianos na comercialização de insumos.

Quais os principais ingredientes de uma vacina?

Antígeno (IFA)
É a substância que irá provocar a resposta imunológica do organismo para treiná-lo a lidar com o vírus real. Cada vacina tem uma tecnologia que desenha um antígeno (gatilho biológico) diferente para despertar a produção de anticorpos. É, na prática, o ingrediente farmacêutico ativo (IFA).

Adjuvantes
Substâncias adicionadas para ajudar o sistema imunológico a reconhecer o antígeno.

Conservantes
Substâncias que previnem, na vacina, o crescimento de organismos indesejáveis, como fungos e bactérias.

Estabilizantes
Substâncias que garantem que o antígeno fique estável e mantenha a qualidade.

Diluente
Água ou soro fisiológico para tornar a vacina líquida e injetável.

Agentes de inativação
Em vacinas criadas com a tecnologia de vírus inativado, como a CoronaVac, os agentes de inativação “matam” o Sars-Cov2 para que ele não traga risco para o organismo, mas consiga, com a “carcaça” do vírus, despertar a resposta imunológica do organismo.

Fonte: Leandro Torres, enfermeiro especialista em imunização e membro da União Pró-Vacina; Mayra Moura, diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Reprodução: Site Gauchazh

Obs. Não conseguimos identificar a autoria das imagens 

 

Sobre o Autor

Café com Poemas administrator

Deixe uma resposta