Arquivo de tag curiosidades

Outubro Rosa: 15 perguntas sobre câncer de mama, confira aí

Levantamento exclusivo revela as principais dúvidas sobre a doença procuradas no Google, nos últimos meses.

Criada nos Estados Unidos em 1990, a campanha Outubro Rosa é um dos projetos de conscientização em saúde mais bem-sucedidos do mundo. Um estudo de 2017 feito por especialistas do Centro de Oncologia de Cascavel, no Paraná, mostra que a iniciativa contra o câncer de mama tem um impacto positivo na procura por exames de diagnóstico, como a mamografia. Isso, por sua vez, facilita a detecção precoce e o tratamento efetivo da doença.

Em razão da pandemia de covid-19, o Outubro Rosa foi menos comentado durante o ano de 2020: uma pesquisa do Google obtida com exclusividade pela BBC Brasil revela que as buscas na internet por “mamografia” foram 36% menores quando confrontadas com os dados de 2019. Essa foi a maior queda já vista na série histórica, que se iniciou em 2004. O levantamento ainda constata que o Brasil é o país que mais acessa informações sobre a campanha do Outubro Rosa no mundo todo. Mesmo assim, em 2020, a redução no volume foi de 20% na comparação com 2019. Apesar do encolhimento no interesse pelo tema durante a pandemia, os brasileiros continuaram a fazer muitas perguntas para o Google sobre câncer de mama, mamografia e autoexame. Abaixo, você confere as principais dúvidas e respostas a respeito deste tópico:

1. O que é câncer de mama?

Falamos aqui do tipo de tumor mais frequente no público feminino. “Ele tem uma incidência que gira ao redor de 12 a 13% da população de nosso país”, calcula o médico Vilmar Marques de Oliveira, presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), todos os anos são diagnosticados 66 mil novos casos da doença. Nesse período de 12 meses, cerca de 17 mil mulheres morrem em decorrência do câncer de mama no Brasil.

2. Como prevenir o câncer de mama?

Todo câncer está relacionado a uma falha genética numa célula, que passa a criar novas cópias de si mesmo de maneira desenfreada. Conforme esse tumor cresce, ele passa a afetar alguma parte do corpo e pode se espalhar para outros órgãos e tecidos, em um processo conhecido como metástase.

De forma geral, adotar uma vida saudável é o primeiro passo para prevenir um tumor nas mamas. Fazer exercício físico, ter uma dieta variada e equilibrada, evitar o ganho de peso, não fumar e não exagerar no consumo de bebidas alcoólicas são medidas cientificamente comprovadas que ajudam a diminuir a probabilidade de desenvolver esse câncer.

Mesmo com todas essas medidas, o tumor pode aparecer. Existem fatores de risco sobre os quais não temos controle. Os dois principais são a genética (algumas pessoas carregam genes que predispõem o aparecimento da doença) e a idade (a enfermidade fica mais frequente conforme envelhecemos).

Outra forma importante de prevenção (ou detecção precoce) são os exames de rotina. Mas falaremos mais sobre eles adiante.

É hora de se tocar! Não deixe sua saúde para depois. Faça o autoexame e cuide do seu corpo.

É hora de se tocar! Não deixe sua saúde para depois. Faça o autoexame e cuide do seu corpo.

3. Como é a cirurgia de câncer de mama?

A cirurgia é uma das formas de tratamento mais utilizadas para esse tumor. Mas antes de partir para o bisturi, é preciso passar pelo diagnóstico correto e receber as orientações de um especialista no assunto.

O tipo de câncer de mama vai influenciar na modalidade terapêutica que será escolhida. “Geralmente, esses procedimentos operatórios envolvem intervenções no tecido mamário e também nas axilas”, conta Fabiana Makdissi, head de mastologia do A.C.Camargo Cancer Center, em São Paulo.

A boa notícia é que as cirurgias para câncer de mama se tornam cada vez mais simples e específicas. Além disso, os médicos conseguem aliar essa opção com outras modalidades, como a quimioterapia e a hormonioterapia. “A ideia é tratar o câncer e garantir a qualidade de vida da paciente”, completa Makdissi.

4. Como surge o câncer de mama?

Nossas células se multiplicam o tempo todo. As novas cópias costumam sair bem parecidas à versão original. Só que esse processo, por uma série de razões (genética, idade, radiação, cigarro…), pode sofrer com alguns defeitos. Quando isso acontece, a unidade apresenta falhas no DNA que podem ocasionar aquela replicação desenfreada que mencionamos acima.

O próprio organismo possui sistemas para detectar essas cópias defeituosas e eliminá-las antes que elas virem um problema mais sério. Às vezes, o tumor consegue escapar desse controle de qualidade e cresce sem chamar a atenção. O que era uma célula vira duas, quatro, oito… Aos poucos, elas formam um caroço e passam a prejudicar a saúde.

5. Como é feito o diagnóstico do câncer de mama?

Isso depende de um tripé de exames. Tudo começa com a suspeita e a análise no consultório. Em paralelo, é importante fazer a mamografia, um exame de imagem que detecta os nódulos, mesmo os pequenos, que não são palpáveis.

Se houver indícios de algo mais grave, a paciente é encaminhada para uma biópsia. Nesse procedimento, o especialista tira um pedacinho do caroço e manda para análise. No laboratório, os patologistas conseguem analisar as células com a ajuda de microscópios e outros equipamentos para determinar se aquela suspeita é mesmo um câncer de mama.

Valorize sua vida e o seu bem-estar. Faça que sua saúde seja uma prioridade.

Valorize sua vida e o seu bem-estar. Faça que sua saúde seja uma prioridade.

6. Como é feito o exame de mamografia?

“Esse exame nada mais é do que uma radiografia das mamas”, esclarece Marques. O tecido mamário é colocado numa máquina e achatado, para que os raios-X consigam atravessá-lo e permitam fazer aquelas imagens em preto e branco.

Os médicos geralmente pedem que suas pacientes façam quatro incidências (ou quatro “fotografias” com ângulos diferentes): duas de cima para baixo e duas na posição lateral.

7. Como interpretar o exame de mamografia?

Antes de mais nada, é importante que o resultado seja lido e avaliado com a ajuda de um médico especialista no assunto — muitas vezes, caímos na tentação de abrir o envelope antes e acabamos tensos e preocupados com aquele monte de informações técnicas.

A mamografia obedece uma classificação internacional chamada Bi-Rads, que tem uma classificação que vai de zero a cinco. “Cada número indica a recomendação do radiologista sobre o que aquela imagem pode significar”, esclarece Makdissi.

Nesse sistema, há desde sugestões de que o nódulo é benigno e necessita apenas ser acompanhado, até as suspeitas de malignidade, que vão exigir novas investigações.

8. Quando fazer a mamografia?

Segundo as diretrizes da Sociedade Brasileira de Mastologia, esse exame deve ser feito uma vez ao ano por todas as mulheres com mais de 40 anos.

A partir da sétima década de vida, essa periodicidade pode variar de acordo com o caso. Mas é importante sempre seguir as orientações do médico que faz o acompanhamento.

Você não está sozinha. A luta contra o câncer de mama é de todas nós. Juntas somos mais fortes!

Você não está sozinha. A luta contra o câncer de mama é de todas nós. Juntas somos mais fortes!

9. O que são “achados mamográficos benignos”?

Esse é um termo que costuma aparecer nos resultados da mamografia. “Os achados mamográficos benignos são aqueles em que a imagem mostra não existir risco de câncer de mama”, conta Marques.

10. O que é diagnosticado na mamografia?

A mamografia não faz diagnóstico nenhum. Ela apenas detecta a existência de nódulos na mama, que podem ser benignos ou malignos. Nos casos em que há suspeita, somente a biópsia vai bater o martelo e definir se o nódulo é mesmo um câncer ou não.

11. O que é o autoexame da mama?

“O autoexame é o conhecimento que toda mulher deve ter sobre seu próprio corpo. Se percebemos qualquer modificação nas mamas, como o aparecimento de um caroço, é importante procurar o médico”, esclarece Makdissi.

12. Como fazer o autoexame da mama?

Não existe uma recomendação formal sobre como realizar esse tipo de procedimento. “A mulher pode iniciar com a palpação de toda a estrutura. Vale também levantar e abaixar os braços na frente do espelho, para ver se os seios apresentam retrações ou algum tipo de deformação atípica”, detalha Marques.

Prevenir-se é a melhor maneira de levar uma vida cor-de-rosa.

Prevenir-se é a melhor maneira de levar uma vida cor-de-rosa.

13. Quando fazer o autoexame da mama?

Antigamente, os profissionais de saúde sugeriam que toda mulher fizesse o autoexame uma vez ao mês, sempre no período pós-menstrual (durante a menstruação, as mamas ficam mais inchadas, o que dificultaria a identificação de caroços).

Mas, hoje em dia, a estratégia está mais voltada ao autoconhecimento. “A questão é entender o próprio corpo e identificar os sinais que possam estar diferente do habitual”, diz Makdissi.

4. Como identificar um caroço na mama?

O caroço pode ter o tamanho e a textura de uma bola de gude ou de uma noz. Ele costuma possuir tamanhos irregulares. Se você notar algo diferente, é importante buscar a orientação de um profissional de saúde sobre o que fazer com esse achado.

15. O que é um nódulo na mama?

“É uma bolinha, uma estrutura com começo, meio e fim que precisa ser investigada”, resume Makdissi. Nódulo não quer dizer que há um câncer ali. O diagnóstico sempre vai depender do exame feito no consultório, da mamografia e da biópsia.

Reprodução: g1.globo.com

Fonte de pesquisa: uol/vivabem

Ela tem 83 anos e fugiu do asilo para realizar sonho de fazer sua primeira tatuagem

451views

Questionada sobre o que sua família poderia pensar, ela respondeu: ”Eu não dou a mínima. Quando você chega à minha idade só tem que viver a vida plenamente todos os dias”, afirmou

Será que tem idade para fazer o que se gosta? Para Sadie Seller, de 83 anos, a resposta é não. Mesmo sem avisar para a família, ela “fugiu” do asilo (isso foi em 2015), na Irlanda, para curtir a vida do jeito que bem entende. Mas não foi para qualquer lugar, a idosa foi para um estúdio de tatuagem.

Segundo o jornal “Mirror“, o filho da idosa, Tony Sellers, percebeu a ausência da mãe, ao ver a cadeira em que ela costumava ficar sentada vazia.

O filho iniciou a busca pela mãe e, depois de procurar por vários locais, descobriu que a senhora estava com a neta, Samantha, em um estúdio de tatuagem.

Saddie não foi acompanhar a neta, mas fazer uma tatuagem de coração no braço esquerdo. Ao ser questionada sobre o que sua família poderia pensar, ela respondeu: “Eu não dou a mínima. Quando você chega à minha idade só tem que viver a vida plenamente todos os dias”, afirmou.

A idosa, que já é bisavó, decidiu fazer a tatuagem quando a neta, Samantha, mostrou um desenho que tinha feito no próprio corpo. “Eu perguntei para o cara quanto tempo ia levar e ele disse que a tatuagem já estava pronta há cinco minutos. Eu não senti nada!”, disse.

Depois de levar a avó ao estúdio de tatuagem, os funcionários disseram a Samantha que ela só poderia voltar ali se levasse a avó junto. De acordo com o Mirro, a tatuagem fez sucesso no asilo. Quando a idosa retornou ao asilo, todos os moradores foram falar com ela para ver o coração no braço esquerdo.

 

Obs. Não conseguimos identificar a autoria das imagens 

 

5 curiosidades sobre o poeta Fernando Pessoa que talvez você não conheça

653views

Fernando Pessoa, nasceu em Lisboa em 13 de junho de 1888, considerado o poeta que foi muitos: “A minha arte é ser eu. Eu sou muitos”.

Ficou órfão de pai aos 5 anos e seu padastro foi um comandante militar que fora nomeado cônsul de Portugal em Durban na África do Sul, lá foi educado em inglês, idioma que usou para escrever os primeiros textos e adotou alguns pseudônimos e os heterônimos mais populares, que sempre estiveram de mãos dadas com o próprio criador Fernando Pessoa. Há quem diga que ele criou seu primeiro heterônimo aos 6 anos, chamado de Chevalier de Pas.

Uma outra curiosidade desta personalidade multifacetada é que Pessoa tinha paixão pela astrologia, que resultou na criação de mapas astrais para estas diferentes personalidades (ou, inclusive, para clientes).

Neste processo criativo nada convencional, os heterônimos (personagens com “vida própria”, data de nascimento e morte, com endereço, escolaridade, profissão e estilo literário) lhe fazem companhia, têm uma relação afetuosa e foi através deles que o poeta fez uma profunda reflexão sobre verdade, existência e identidade.

Mas sabia que um dos seus heterônimos, Maria José, era uma jovem corcunda de 19 anos? E que há um vinho batizado em honra desta incontornável figura maior da literatura? E alguma vez ouviu dizer que Pessoa tentava comunicar com os espíritos, através da sua escrita?

Fomos tentar descobrir algumas das curiosidades sobre o desassossegado poeta que tinha em si todos os sonhos do mundo.

1. O PRIMEIRO POEMA

Numa carta de 1935, a Adolfo Casais Monteiro, Fernando Pessoa afirma que tinha seis anos quando começou a interagir com o cavaleiro francês Chevalier de Pas, com quem trocava cartas e “cuja figura, não inteiramente vaga, ainda conquista aquela parte da minha afeição que confina com a saudade”.

É na escrita que encontra consolo para o seu isolamento, principalmente após a morte do pai e, um ano mais tarde, do irmão. Sensivelmente nesta altura, escreve aquele que aparenta ser o seu primeiro poema, dedicado à sua mãe: “Ó terras de Portugal / Ó terras onde eu nasci / Por muito que goste delas / Inda gosto mais de ti.”

2. MARIA JOSÉ, A JOVEM CORCUNDA

Entre os vários heterônimos de Pessoa, há um feminino, utilizado uma única vez: Maria José. Uma jovem com 19 anos, com pouco tempo de vida, em consequência da tuberculose. Além de corcunda, sofria também de um problema nas pernas, que lhe limitava a mobilidade.

Era uma mulher daquelas figuras que vêem o mundo passar pela janela, sem poder desfrutá-lo. É por essa janela que se apaixona pelo serralheiro, o Sr. António, que por ela passa todos os dias. Sem coragem para lhe falar, confessa o seu amor numa carta, que começa em tom de despedida: “O senhor nunca há-de ver esta carta, nem eu a hei-de ver segunda vez porque estou tuberculosa, mas eu quero escrever-lhe ainda que o senhor o não saiba, porque se não escrevo abafo”.

3. O FLAGRANTE DELITRO

Quando trabalhava era comum Fernando Pessoa levantar-se no meio do expediente, pegar seu chapéu, ajeitar os óculos e dizer que ia até ao Abel. Este hábito do poeta intrigou um  dos seus colegas de trabalho, que percebeu algum tempo depois, que as idas ao Abel eram, nada mais nada menos, que uma visita ao depósito mais próximo, a casa Abel Pereira da Fonseca, fundador da Companhia Agrícola do Sanguinhal, para tomar um copo de vinho.

Em homenagem ao poeta e ao fundador desta empresa, foi recriada a marca de vinhos Casabel. Nos rótulos, foi reproduzida a dedicatória que Pessoa fez a Carlos Queirós (1907-1949): “Carlos: Isto sou eu no Abel, já próximo do paraíso terrestre, aliás perdido”.

Ofélia, a eterna namorada do autor do “Livro do Desassossego”, quis uma fotografia igual à que seu sobrinho recebeu de Pessoa e quando ele lhe fez a vontade, ofereceu-a com uma dedicatória: “Fernando Pessoa em flagrante delitro”.

O flagrante delitro no depósito de vinho do Abel. Foto: Domínio público

4. EM CONVERSA COM OS ESPÍRITOS

Teresa Rita Lopes é uma das mais reconhecidas investigadoras do poeta em Portugal. Estuda a obra de Fernando Pessoa há mais de meio século e revela que ele fazia escrita mediúnica, com o intuito de perceber se os espíritos se manifestavam através dele. “Ele estava sempre no limiar entre acreditar e brincar com isso”- afirma.

5. AS DUAS TENTATIVAS DE ‘POESIA DA MESQUINHEZ’

“Conto de fadas de quem não tem imaginação”, “poesia da mesquinhez”. Foi assim que Fernando Pessoa descreveu o romance, gênero literário de que nunca gostou particularmente. Apesar disso, existem dois romances que — como muitos outros textos — ficaram inacabados. “Reacção” e “Marcos Alves” foram escritos por volta de 1909, que agora estão acessíveis ao público no livro “A Porta e Outras Ficções”, editado pela Assírio & Alvim em Portugal.

Os dois romances, que se juntam a sete contos inéditos na ficção pessoana, são os únicos do gênero encontrados no seu espólio. Fernando Pessoa achava “difícil, senão impossível, manter, num longo texto, a perfeição desejada”.

Texto extraído da Revista Ecos da Paz