Categoria Espiritualidade

George Floyd, o Evangelho em meio à violência

O homem que ficou conhecido pela cena do policial com o joelho sendo pressionado em seu pescoço até a morte.

George Floyd, 46 anos, passou a ser conhecido em todo o mundo pela cena do policial com o joelho sendo pressionado em seu pescoço. Mas em uma comunidade negra em Houston, no Texas, EUA, ele era conhecido por influenciar jovens usando a Palavra de Deus. Antes de se mudar para Minneápolis, onde foi morto após a ação policial, para uma oportunidade de emprego através de um programa de trabalho cristão, o homem passou quase toda a sua vida na Third Ward.

Discipulado e evangelismo

Com o desejo de quebrar o ciclo de violência entre os jovens, Floyd usou sua influência para trazer ministérios à comunidade, fazer discipulado e evangelismo. Principalmente entre os moradores mais carentes.

“George Floyd era uma pessoa de paz enviada pelo Senhor que ajudou o Evangelho a avançar em um lugar em que nunca morei. A plataforma para alcançarmos esse bairro e as centenas de pessoas que alcançamos até agora foi construída nas costas de pessoas como Floyd”, disse Patrick PT Ngwolo, pastor da igreja Resurrection Houston, que fazia cultos na Third Ward.

O pastor Ngwolo e outros líderes cristãos conheceram Floyd em 2010. Ele revelou que o homem deixou suas prioridades claras desde o início. “Ele disse: ‘Eu amo o que vocês estão fazendo. A vizinhança precisa, a comunidade precisa, e se vocês se interessam pelas coisas de Deus, eu também me interesso’”, disse Corey Paul Davis, um artista cristão de hip-hop que participou da Resurrection Houston.

homem negro café com poemas george floyd 3

A indignação pela morte de George Floyd, 46, vai além de sua família e amigos. Várias celebridades reagiram ao incidente nas redes sociais

A igreja expandiu seu envolvimento na região, realizando estudos bíblicos e ajudando com compras e consultas médicas. Floyd não apenas forneceu acesso aos moradores; ele deu uma mãozinha enquanto a igreja realizava cultos, torneios de basquete, churrascos e batismos na comunidade.

“Ele sempre dizia aos rapazes que Deus supera a cultura da rua. Acho que ele queria ver jovens largando as armas e tendo Jesus em vez das ruas”, disse Ronnie Lillard.

Evangelho em meio à violência

Mais de 50 pessoas foram mortas nos últimos anos em meio à uma guerra de gangues que se espalha pela Third Ward e pelo sudeste de Houston. Para pessoas que vêm de fora e atuar nestas comunidades, é preciso ter um “selo de aprovação” concedido por figuras Floyd.

“Sua fé era um coração para a Third Ward, que foi radicalmente mudada pelo Evangelho, e sua missão era ajudar outros crentes a entrar e levar esse Evangelho adiante”, disse Nijalon Dunn, que foi batizado na comunidade.

Floyd se mudou para Minnesota por volta de 2018, disse sua família ao jornal Houston Chronicle. Ele estava lá para um programa de discipulado que incluía um emprego, de acordo com o pastor Ngwolo.

Embora ele nunca tenha voltado para casa, ele será “imortalizado na comunidade da Third Ward para sempre”, disse Lillard. “Os caras das ruas olham para ele como, ‘cara, se ele pode mudar sua vida, eu também posso’”.

O pastor Ngwolo ainda está abalado com as notícias, mas lamenta pelo “derramamento de sangue inocente”, conforme relata o livro bíblico de Gênesis sobre a morte de Abel por Caim.

“Se você avançar 2.000 anos, há outro inocente cujo sangue falou de coisas melhores que o de Abel. O sangue de Jesus diz que Ele pode nos redimir nesses tempos sombrios e perigosos”, disse Ngwolo. “Tenho esperança porque, assim como Abel é uma figura de Cristo, também vejo meu irmão [Floyd] como uma figura de Cristo, nos apontando para uma realidade maior. Deus nos ouve. A vingança acontecerá na cruz ou no dia do julgamento”.

*Com informações de Christianity Today

Crônica: A noite da última Ceia – Carlos Vidal

"É frustrante ouvir e ler constantemente sobre o narcísico poder messiânico da caneta que pode decidir por nossas vidas."

 

Chegou semana Santa no meio de uma pandemia e, sinto na fraqueza um paradoxal sentimento de união com a humanidade.

Uma Semana Santa na carne

Gostaria de não ter tido que experimentar desta maneira este dom, até que gostaria de ter continuado na quarentena da minha alma para não me contaminar de compaixão com aquele que sofre no outro lado do mundo. É verdade, gostaria de não ter tido que experimentar dessa maneira este dom, há comunhão no encerro e isolamento social nestas pandemias.

Nas últimas semanas tenho observado o tempo passar com uma lógica esquisita. Caótico, às vezes rápido e furioso descendo como a lama de Brumadinho de jornais e folhas digitais, e outras vezes devagar, denso e pastoso como si ele mesmo estivesse reticente a avançar e deixar para trás o que sou hoje, me segurando na própria solidão e miséria.

Sim, é a partir deste esboço interior do que estou vivendo que quero confessar e escrever neste tríduo Pascoal de Semana Santa. Porque há Graça, só que desta vez acho ela em um presente sublime tão difícil para aceitar. Um envelope que se apresenta em devaneios entre o prazer e a dor.

A Graça é um presente no presente

Sim, é muito difícil de aceitar este presente-presente. Sei pela minha fé que há Graça que não pode calar, no entanto, experimento em silêncio minha fraqueza na impotente quietude da quarentena. É difícil acolher o presente-presente, sei porque os meus braços tremem de medo quando percebo o colo do meu torturador [hoje invisível-visível] neste presente-presente.

É difícil acolher o presente-presente. Ainda mais quando ligo a televisão e enxergo discursos à nação que se tem tornado em traição explícita à própria tarefa do Estado, o Bem Comum. É angustiante a exaltação da “miraculosa” cloroquina em desprezo aos tempos científicos da experimentação de um medicamento. É frustrante ouvir e ler constantemente sobre o narcísico poder messiânico da caneta que pode decidir por nossas vidas.

-Que as famílias tomem conta dos seus Idosos! Não é rol do Estado cuidar destes seres improdutivos para a economia- ecoa a maldade do ser humano entre as almas perdidas e desconcertadas. Um povo que se devaneia em uma política que virou torcida de futebol. Só que, acho que a falta de jogos e encontros parece ter contribuído ao esquecimento do amor pelo time, enfim, me parece que o ódio que conduz é maior.

 

Outra pandemia estava escondida

Certamente, o Coronavírus não é a única pandemia que se espalha entre nossa humanidade. Observo que, também, há maldade que preambula pelas ruas, tanto físicas como cibernéticas. Esta doença mundial antes estava escondida, e hoje, aparece perante do quebre do status quo que era mantido pelo capital.

Entre surdos e cegos panelaços a favor ou contra, estou com medo. Às vezes parece que somente é o ódio o que mobiliza as ações dos frustrados cidadãos, outras vezes, porque sinto que esse ódio também chegou a mim. A Pandemia escondida já estava em mim, o álcool gel comprado em excesso foi insuficiente para me liberar, ao contrário, essa exageração era um sintoma. Além disso, parece que já estava doente e não sabia, passei muitos anos da minha vida me lavando das culpas e responsabilidades pelos outros para assim manter ritualmente minha alma asséptica dos que achava inferiores ou sujos.

Outra pandemia estava escondida e apareceu em mim. Nestes dias comecei a sentir tosse seca, falta de ar, febre alta e vontade de acabar com todos. Estou contaminado, minha garganta dói pelas palavras de misericórdia e carinho que não disse e, o peito, já não respira direto porque perdeu sua capacidade no costume egoísta de não compartilhar o mesmo ar com os demais.

A quarentena teve, aliás, está tendo, um efeito que nem diria secundário senão que essencial e primário. Este tempo com sua lógica tão esquisita, me está mostrando outra pandemia que estava escondida e somente hoje começou a se mostrar em nós.

 

 A noite da última Ceia

Têm sido inúmeras as noites em que perdi o sono, a vontade de dormir e sonhar para ficar acordado. À noite, eu quis me abraçar a aquilo que amo, e somente desde esse amor repousado e serenado no meio da escuridão é que me tenho animado a ler e analisar em diferentes línguas o que está acontecendo.

Minha fé me permite intuir que na mesa da última Ceia estamos todos e, que nos eventos que aconteceram depois deste tempo de noite e distanciamento social também. Portanto, acho um momento propício, sem missas, cultos ou reuniões, nos sentarmos à mesa para degustar o essencial, e que, embora do pouco material, poderemos achar dentro das paredes deste quarto da última Ceia em tempo de pandemia. Quero compartilhar com os poucos desta casa o que desejo com todos neste planeta, para me curar da pandemia que me adoeceu por tanto tempo sem nem saber.

Será quase uma cerimônia de exorcismo, de reconectarmos com a água batismal que nos uniu em Cristo tantos anos atrás. Deixaremos que quem esteja nosso lado seja aquele que me lave os pés, para eu aprender, e para, daqui em diante, não me enaltecer. Simbolicamente, esta (s) noite (s) da última Ceia quero trocar o lavado de mãos pelos pés, quero apreender o que significa me colocar de joelhos e reconhecer com fofura o que há de bom no meu vizinho.

Em algum sentido, acho que este gesto profético contemporâneo de ficar em casa, nos ajudará a superar a pandemia que estava escondida. Vamos parar para fixar os olhos na vida que vem dos outros, e aceitar esse presente no presente do Cenáculo.

No entanto, sempre haverá um beijo de Judas (a Cristo) no meio de nós, e nesta semana Santa não tem sido diferente. São as nossas lideranças preocupadas pela economia privada e desprezando o nosso bem comum. Mas, nesta Semana Santa espero acordar e não somente ficar fazendo a contagem crescente dos mortos e doentes.

Na (s) noite (s) da (s) última (s) Ceia (s) que estamos vivendo, não apagaremos as dores e as tristezas com ópio. Sabemos que continuaremos recebendo mensagens de ódio e desprezo à vida, pelos robôs pagos nas redes, mas não deixaremos nesta (s) noite (s) os nossos corações serem conquistados pela intenção do dinheiro dos ricos que moram no hiper topos Uranos, aqueles que usam e abusam da imagem do meu prato de comida para criar desinteresse pela minha própria vida e sair de casa nesta última ceia, pois, somente parando em casa, junto ao verdadeiro Messias, que começaremos a cura no amor do pão o do vinho, compartilhados na mesma mesa e velando no Getsêmani quanto for necessário para acompanhar e dispor a alma para vida na esperada ressurreição.

 

Carlos Vidal

Belo Horizonte, 09 de abril de 2020.

A religião é inútil se não for acompanhada de uma boa índole e um coração puro

Por: Luiza Fletcher

Muitas pessoas acreditam que apenas ter uma religião é suficiente para torná-las bondosas, altruístas e merecedoras das melhores coisas criadas pelo divino. Elas vão todos os domingos para a igreja, participam de todos os grupos possíveis e estão sempre compartilhando mensagens de amor e compaixão com todas as pessoas ao seu redor.

À primeira vista, essas pessoas são realmente um grande exemplo. Estão sempre em boas companhias e parecem passar uma mensagem muito similar a que acreditam. Porém, de nada adianta viver em função de religião, se no seu interior habita um coração egoísta e uma índole maldosa.

Apenas frequentar os templos sagrados não é suficiente, é preciso que trabalhemos todos os dias para chegarmos mais perto de nos tornarmos tudo aquilo que admiramos e pregamos.

Compartilhar mensagens positivas com os seus amigos no WhatsApp é legal e ajuda a espalhar o bem, ir à igreja todas as semanas o ajuda a conectar-se mais com a energia divina, mas mais importante do que aquilo que se faz na internet é o que se faz na vida real.

Imagem: Pixabay

Se as suas ações no dia a dia não estiverem em sintonia com tudo aquilo que você prega, alguma coisa está errada. A religião é uma guia pela vida, mas não é a coisa mais importante que você pode ter. Um coração bom e um caráter admirável são muito mais valiosos, porque são eles que demonstram que realmente somos e qual o nosso valor.

No final da vida, o que realmente contará não é qual livro decidimos seguir, mas o que fizemos com todas as lições que nos ensinaram. Portanto, ao invés de dedicarmos muito tempo de nossas vidas tentando provar a nossa religião, devemos nos esforçar para mostrar que somos bons seres humanos.

Quando cuidamos de nosso interior e nos dedicamos a ser pessoas verdadeiramente boas, a nossa religião não importa, porque as nossas atitudes têm um grande valor e falam muito sobre nós.

Provavelmente você tem um amigo ou conhecido que possui uma crença totalmente diferente da sua e, ainda assim, vocês se dão muito bem.

Isso acontece porque estão sintonizados, porque se admiram e respeitam, apesar das diferenças, e é isso que realmente importa. Devemos ser muito mais do que as nossas religiões, porque elas são apenas caminhos de vida, não nos qualificam como certos ou errados.

Já conheci pessoas incríveis que não tinham religião e pessoas más que vivam na igreja. Portanto, deixei de me apegar a rótulos e agora entendo que o que realmente importa é o coração, porque ele é a origem de tudo o que somos.

Deixe de olhar as pessoas pelo rótulo da religião e comece a olhar pelo coração, você se surpreenderá com o quão diferente as coisas podem ser.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo, vedado reprodução em páginas comerciais.

* Saiba como escrever para o site CAFÉ COM POEMAS