Arquivo de tag poesia

Mariana Penides | Pandemia (Poesia)

354views

Enquanto o sono não vem,
Sinto-me na obrigação
De externar o que vejo
Sobre essa pandemia
Que tomou conta do mundo.
É estranho falar disso,
Em forma de poesia
Mas, é a forma que eu encontro
Para compreender
O que o meu coração pedia.
Com o passar do tempo,
Aos meus vinte e poucos anos,
Reconheço que nada vi parecido.
É com muito desencanto
Que, com o passar do tempo,
Parece que tudo vai piorando.
Sinto um buraco sem fundo.
Pessoas morrendo por dentro,
Vontade de gritar para o mundo
Que nada disso é passageiro.
Se as pessoas
Não se curarem primeiro.
Ora, mas essa doença é fatal
Ela mata, corrói, destrói,
Deixa as suas marcas
E uma cicatriz profunda
Que dói, mata e corrói.
Um ciclo vicioso que está presente,
Desde quando o mundo é mundo.
Esse vírus não chegou agora.
Tem bem mais que dois anos.
Parece que a humanidade vive doente,
Não agora no presente,
Mas no passado e futuro.
A falta de amor é como um veneno.
Se não houver um antídoto,
Ou uma vacina,
Não haverá solução.
Haverá chacina.
Temos que nos apressar.
Nosso tempo não espera.
Mas quando menos se espera,
Lembramos que sempre existiu
Uma dose única, capaz de curar.
A vacina sempre existiu
Para esse tipo de pandemia.
Basta conseguirmos olhar
De dentro para fora,
Que de fora pra dentro,
Uma dose de empatia
É capaz de amar.

Mariana Penides
Condeúba/Ba.

Homem é retirado à força do metrô no DF porque recitava poesia

Um vídeo registrado por passageiros do Metrô-DF mostrou a ação de um segurança retirando um jovem à força de dentro do trem, nesta sexta-feira (14/5). A filmagem mostra o momento em que o rapaz recebe um mata-leão por trás e é jogado ao chão. Passageiros que acompanham a cena pedem para o segurança parar (veja o vídeo abaixo).

Correio conversou com o jovem. Pai de três filhos, de 10 e 6 anos, e de um bebê de 6 meses, Rafael da Cruz Santos, 31, mora há três meses na capital e, todos os dias, recita poesias nos vagões dos trens.

 

Durante a ação, Rafael diz a todo instante aos seguranças que não é bandido e diz que está sendo agredido. Revoltados, os passageiros gritam para que os servidores o soltem. “Não faz isso com ele”, diz uma mulher. Ao Correio, Rafael contou que estava na Estação Feira do Guará quando saiu de um vagão e ia passar para outro e continuar recitando poesias, como faz diariamente. “A porta estava quase fechando e coloquei minha mão para não fechar. Foi quando eles viram e me impediram. Falei que não ia sair do vagão, que não tinha motivos, mas eles me pegaram à força”, detalhou.

Morador de Samambaia Norte, Rafael atua como artista de rua e cria poemas para recitá-los e tirar a renda, que sustenta a mulher e os três filhos pequenos. “Trabalho como um funcionário público. Todos os dias começo cedo. É minha forma de sobrevivência. Nessa pandemia, piorou muito, mas estamos lutando”, afirmou. O rapaz conta que está traumatizado com o ocorrido e pensa se vai ou não voltar a recitar as poesias nos vagões. “Tenho medo deles me pegarem e me jogarem em uma salinha, onde ninguém esteja vendo, e fazer o mal. Dá medo de morrer.”

Rafael foi retirado a força de vagão do metrô – (crédito: Reprodução)

O artista criticou, ainda, a forma de abordagem dos seguranças e apontou despreparo profissional. “Já sou conhecido por muita gente no metrô, porque faço isso todos os dias. Não incomodo ninguém. Estou ali trabalhando”, finalizou.

O que diz o Metrô-DF

Procurada pela reportagem, a Companhia do Metropolitano do Distrito Federal informou que os empregados da segurança estavam embarcando um deficiente visual na plataforma 2 da Estação Feira e avistaram Rafael, que se autodenomina o ‘Poeta’, “realizando mendicância no trem, prática proibida pelo RTTS (Regulamento de Transporte de Tráfego e Segurança)”.

Segundo o Metrô-DF, Rafael tentou trocar de vagão e segurou a porta do trem, fato que impediu a saída do trem. “A segurança abordou o indivíduo e solicitou que ele saísse do trem para averiguações, mas ele se negou. Os seguranças insistiram na saída dele por ter transgredido o RTTS. Diante da negativa, por conta da resistência e desobediência, ele foi contido e retirado do sistema”, afirmou, por meio de nota oficial.

Rafael foi encaminhado à 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul), onde foi lavrado boletim de ocorrência por desacato. “Por diversas outras vezes, este usuário foi orientado no sistema sobre a proibição. Um agente de segurança do Metrô-DF foi encaminhado para o IML, devido a machucados na região da testa durante a atuação na ocorrência”, finalizou a companhia, em nota.

Fonte: Correio Brasiliense

Celebramos o dia 20 de outubro, o Dia do Poeta

499views

Hoje, a nossa homenagem vai para aqueles que nos traduzem em versos e inspirações. Como diz o escritor argentino Jorge Luis Borges, “A poesia é algo tão íntimo que não pode ser definida.” Mas devamos vivê-la porque poesia faz parte da essência e da beleza da própria vida. Chaplin traduziu muito bem isso: “A beleza existe em tudo – tanto no bem quanto no mal. Mas, somente os artistas e poetas sabem encontrá-la” [O Pensamento Vivo de Chaplin, Editora: Martin Claret, 1984]. Parabéns, poetas! A poesia é bela, mas invisível aos olhos normais. Só o poeta consegue colhê-la e oferecê-la ao mundo.

“Celebrado em 20 de outubro, o Dia do Poeta foi criado em razão do Movimento Poético Nacional, que surgiu na mesma data, em 1976, na casa do jornalista, romancista, advogado e pintor brasileiro Paulo Menotti Del Picchia.”

Fonte: Editora NS Publicações

Brasil 2020: 30 linhas insustentáveis

 

 

Desfecho

Se fecho os olhos

Não consigo falar de poesia

Eis a sagacidade do Brasil 2020

Temas e horrores hasteiam a bandeira

Não do nosso Bandeira, mas do bando de lá

Que massacra o Brasil, seus povos originários

Sem origem das maldades que fazem rios sangrar

Sangues de índias, mulheres, mulatas, negras, pobres, elegebetês…

Tudo isso para quê? Sei lá! Vai nas urnas analisar.

 

 

No Nordeste, além de peste, inundaram de óleo o mar

Anestesiada em pesadelo, me olho no espelho

Torno a filosofar: quem dera, fosse Brasil 2015

E eu acordasse de uma vez

Vendo a Democracia caminhar

Aí, meu Deus!

Mas ela em vertigem quase caiu

Derrubando o Brasil que estávamos a embalar

Lá, tudo lá, na casa que devia ser do povo

Servil, civil, bancadas da bíblia, da bala, mas que ele nem pode pisar.

 

Tenho assistido queimarem livros e até o “pulmão do Brasil” (P.Q.P!)

Sou brasileira nata, não mato a mata

Sou da nata correlata que também querem matar

Não sou de brincadeira, poeta marginal, guerreira

Escrevendo mais um grito universal

Das vozes resistentes a relutar

Neste horizonte que em silêncio ecoa

Ecologicamente insustentável

Dessa política ‘biodesagradável’

Escorrendo nos ralos sem rimar…

 

 

Celeste Maria Farias

celestefarias@ymail.com

(Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 08 de fevereiro de 2020)

Um pouco sobre mim: celeste maria farias de souza dias.

Psicopedagoga. Escritora. Poeta. Foi Conselheira representante da sociedade civil no Conselho Municipal de Políticas Culturais de Belo Horizonte – COMUC (Gestão 2018-2020), no setorial de “Literatura, Livro e Leitura”. Fundadora e Coordenadora do Fórum Municipal de Literatura, Livro e Leitura de Belo Horizonte. Participou do GT Lei COMUC. Participa do Comitê de Acompanhamento da Lei Aldir Blanc em BH.

Agente Cultural (UFBA/2017). É baiana, de Salvador, mora em Belo Horizonte desde 2011 e desde 2012 participa dos Saraus da Lagoa do Nado; local onde já organizou, juntamente com outros poetas/escritores, diversas atividades na área da literatura, cultura tradicional, dança, patrimônio imaterial…; em outubro de 2013 realizou a Escala Cultural Bahia Minas (10 dias de eventos em Centros Culturais e Praças de BH com artistas/escritores/jornalistas baianos e mineiros).

É educadora, palestrante, poeta e editora de livros. Doutora Honoris Causa em Letras pela Reitoria Acadêmica do Seminário Teológico Bonhoeffer – BOU- Bonhoeffer Open University; Bacharel em Teologia metodista pela FATEH – Faculdade de Teologia Hokemãh; Licencianda em Filosofia na FAJE – Faculdade de Filosofia e Teologia; Pós-graduada em Psicopedagogia Institucional na Faculdade Educacional da Lapa – FAEL (2020); Especialista em Língua Portuguesa e Literatura pela Faculdade de Tecnologia de Palmas – FTP (2016).

Acadêmica Literária da ANELCA/MG; Autora dos livros “Inanna Salomé – Poesias e Mistérios” 2013 – Cogito Editora e “No divã da consciência” 2015 – Agilite Publicações e Interatividade; Participa de mais de 20 Antologias; É organizadora das Antologias “Tens Algo Para Mim?”, “Entrelinhas e Reticências…” “Café com Poemas I”, “Anelca em prosa e versos – Volume XI”; Ganhou diversos prêmios e honrarias.

Membra da Seccional CAPPAZ em Belo Horizonte; Conselheira Estadual MG/Brasil do Movimento União Cultural; Foi Diretora de Relações Públicas e Marketing da Academia Nevense de Letras, Ciências e Artes – ANELCA/MG; é Coordenadora de Projetos do Movimento Cultivista Café com Poemas; Gestora Literária e Coordenadora Geral do Projeto Cartas e Depoimentos; Diretora Executiva da Ordem Federativa de Honrarias ao Mérito; Gestora Literária e Diretora Executiva da Agilite Publicações e Interatividade (desde 2014).

O Movimento Cultivista Café com Poemas, no qual é coordenadora em Minas Gerais e também é cofundadora com o Jornalista e Poeta, Leandro Flores, traz em seu Manifesto ao Cultivismo, lançado em 2015, quatros pilares de sustentação: a arte, a cultura, a educação e a filosofia; O Café com Poemas foi iniciado em novembro de 2013 na cidade de Belo Horizonte, em Minas Gerais.

O Movimento tem representantes atuantes em várias partes do país, permitindo que Celeste transite por diversas áreas, valorizando assim, as multiculturas e os patrimônios imateriais desse nosso Brasil.

http://lattes.cnpq.br/9944350871909369

SNIIC Nº: AG-72478
http://mapas.cultura.gov.br/agente/72478/

Empreeendedora (MEI desde 14 de agosto de 2014).
Editora Executiva/Revisora|Psicopedagoga|Poeta|Escritora
Associada Individual | ABED
Associação Brasileira de Educação à Distância

“Faça que seu próprio medo tenha medo de você” – Bráulio Bessa

22.3kviews

Que o medo de chorar
não lhe impeça de sorrir.
Que o medo de não chegar
não lhe impeça de seguir.
Que o medo de falhar
não lhe faça desistir.

Que o medo do que é real
não lhe impeça de sonhar.
Que o medo da derrota
não lhe impeça de lutar.
E que o medo do mal
não lhe impeça de amar.

Que o medo de cair
não lhe impeça de voar.
Que o medo das feridas
não lhe impeça de curar.
E que o medo do toque
não lhe impeça de abraçar.

Que o medo dos tropeços
não lhe impeça de correr.
Que o medo de errar
não lhe impeça de aprender.
E que o medo da vida
não lhe impeça de viver.

O medo pode ser bom
serve pra nos alertar,
tem função de proteger,
mas pode nos ensinar
que às vezes até o medo
vem pra nos encorajar…

Repare,

Se há medo de perder,
é sinal para cuidar.
Se há medo de desistir,
é sinal para tentar.
Se há medo de ir embora,
é sinal para ficar.

Se há medo da maldade,
é sinal para amar.
Se há medo do silêncio,
é sinal para falar.
Se o silêncio insistir,
é sinal para cantar.

Se há medo do escuro,
é sinal para iluminar.
Se há medo de um erro,
é sinal para caprichar.
Se há medo, meu amigo,
é sinal para enfrentar.

Toda coragem precisa
de um medo pra existir.
Uma estranha dependência
complicada de sentir.
A coragem de levantar
vem do medo de cair.

Use sempre a coragem
para se fortalecer.
E quando o medo surgir
não precisa se esconder.
Faça que seu próprio medo
tenha medo de você.

 

Bráulio Bessa, Poesia que transforma.

 

➤ Leia também:

 

Ela é uma moça de poses delicadas, sorrisos discretos e olhar misterioso

931views
“Ela é uma moça de poses delicadas,

sorrisos discretos e olhar misterioso.
Ela tem cara de menina mimada,

um quê de esquisitice, uma sensibilidade de flor,

um jeito encantado de ser,
um toque de intuição e um tom de doçura.
Ela reflete lilás, um brilho de estrela, uma inquietude,
uma solidão de artista e um ar sensato de cientista.
Ela é intensa e tem mania de sentir por completo,
de amar por completo e de ser por completo.
Dentro dela tem um coração bobo,
que é sempre capaz de amar e de acreditar outra vez.
Ela tem aquele gosto doce de menina romântica
e aquele gosto ácido de mulher moderna.”

—  Caio Fernando Abreu

 

Imagem de Uwe Kern por Pixabay

“Uma História”, poema de Casimiro de Abreu

1.2kviews

A brisa dizia à rosa:
– “Dá, formosa,
Dá-me, linda, o teu amor;
Deixa eu dormir no teu seio
Sem receio,
Sem receio minha flor!

Da tarde virei da selva
Sobre a relva
Os meus suspiros te dar;
E de noite na corrente
Mansamente
Mansamente te embalar!” –

E a rosa dizia à brisa:
– “Não precisa
Meu seio dos beijos teus;
Não te adoro… és inconstante…
Outro amante,
Outro amante aos sonhos meus!

Tu passas de noite e dia
Sem poesia
A repetir-me os teus ais;
Não te adoro… quero o Norte
Que é mais forte
Que é mais forte e eu amo mais!” –

No outro dia a pobre rosa
Tão vaidosa
No hastil se debruçou;
Pobre dela! – Teve a morte
Porque o Norte
Porque o Norte a desfolhou!…

 

Saiba quem foi Casimiro de Abreu

Quem foi Casimiro de Abreu

Casimiro José Marques de Abreu nasceu no dia 4 de janeiro de 1837, em Barra de São João, Rio de Janeiro. Um dos poetas mais importantes da literatura brasileira, pertence a segunda geração do Romantismo no país. Membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), é patrono da cadeira n.6.

Casimiro de Abreu foi prodígio e muito intenso. Apesar de não ter escrito muito – faleceu com apenas 23 anos de idade – deixou obras perpetuadas na literatura nacional. Dono de um estilo lírico e sentimentos à flor da pele, seus poemas abordavam temas como o amor, a paixão, a melancolia da vida, nostalgia da infância e exaltação à pátria. Autor da obra “Meus Oito Anos”, tornou-se um dos mais populares poetas de sua geração no Brasil, apesar de viver boa parte de sua juventude em Lisboa, Portugal, onde, com apenas 16 anos, escreveu a maior parte dos poemas de seu único livro “Primaveras”.

Na capital portuguesa, Casimiro de Abreu conhece a boemia e se entrega às madrugadas, mulheres e bebidas. Acaba contraindo tuberculose, precisando regressar ao Brasil no ano de 1857. Com a saúde abalada, parte para Indaiassu, perto de Nova Friburgo, onde sua família tinha uma fazenda para que assim pudesse respirar ar mais puro e combater a doença.

Em julho de 1960, fica noivo de Joaquina Alvarenga Silva Peixoto. porém, pouco mais de três meses depois, Casimiro de Abreu não resiste à tuberculose e morre no dia 18 de outubro, em Indaiassu, município que hoje carrega o nome do próprio Casimiro de Abreu, em homenagem.

Texto extraído do site Recanto do Poeta

“Eles passarão… eu passarinho”, conheça o significado do ‘Poeminho do Contra’, de Mario Quintana

892views

Embora seja formada por apenas quatro versos, Poeminho do Contra é uma das composições mais populares de Mario Quintana.

É também um dos seus poemas que mais se destaca pela mensagem que transmite ao leitor. Os versos “Eles passarão…/ Eu passarinho” se tornaram imensamente famosos e queridos entre o público brasileiro.

Quer entender melhor o poema e a sua complexidade? Confira a nossa análise.

Poeminho do Contra

Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão…
Eu passarinho!

Análise e interpretação do Poeminho do Contra

A composição assume uma forma simples e popular, a quadra, rimando o primeiro verso com o terceiro e o segundo com o quarto (A-B-A-B). O registro de linguagem é também bastante acessível e próximo da oralidade.

Versos 1 e 2

Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho

Começando pelo próprio título, o poema se declara “do contra”, afirmando assim que desafia ou resiste a alguma coisa.

Logo no primeiro verso encontramos uma explicação: o que incomoda eu-lírico são aqueles que estão “atravancando” o seu caminho.

Se estabelece, assim, uma dinâmica de “eu versus eles”. O sujeito é apenas um e enfrenta, sozinho, uma espécie de inimigo coletivo (“todos esses que aí estão”).

Podemos assumir que o eu-lírico se refere a seus inimigos, mas pode também estar mencionando os problemas e obstáculos que têm surgido na sua vida.

Versos 3 e 4

Eles passarão…
Eu passarinho!

Os dois versos finais são os mais conhecidos do poema, estabelecendo uma espécie de lema que podemos adotar para a nossa vida. Trata-se de um jogo de palavras entre o grau aumentativo de “pássaro” e o verbo “passar” conjugado no futuro.

O fato de serem palavras homônimas (que se dizem e escrevem da mesma forma) confere uma dupla interpretação para essa passagem.

Por um lado, podemos pensar que se trata do substantivo “pássaro” em graus diferentes. Assim, o sujeito poético estaria indicando que, na sua visão, os obstáculos são maiores do que ele, que é apenas um “passarinho”.

Por outro lado, “passarão” pode ser lido como uma conjugação futura do verbo “passar” (terceira pessoa do plural). Isso indicaria que todos os seus problemas são efêmeros e, eventualmente, irão se dissipar.

Deste modo, o sujeito pode ser comparado a um “passarinho”, sinônimo de liberdade e de leveza.

Significado do Poeminho do Contra

Poeminho do Contra é uma composição que carrega mensagens fortes de otimismo e esperança, nos lembrando que devemos ficar de bem com a vida.

Como é comum na sua poesia, Quintana se serve de uma linguagem singela e de exemplos do cotidiano para transmitir reflexões profundas e cheias de sabedoria.

Através destes versos, o autor imprimiu um caráter motivacional no seu Poeminho do Contra que serve de inspiração para muitos de nós.

A composição nos convida a continuar lutando, resistindo, apesar de todos os obstáculos no caminho. Mais que isso, o poema vem nos lembrar de uma lição vital: mesmo quando tudo parece estar perdido, precisamos confiar em nós mesmos e na vida.

Deste modo, o poeta sublinha as capacidades humanas de resiliência e superação, como se dissesse ao seu leitor: “Não desista!”.

Contexto histórico da criação

Existem alguns fatores históricos importantes que devemos considerar quando interpretamos o Poeminho do Contra.

A composição foi criada ainda durante o período da Ditadura Militar Brasileira. Na época, a censura cortava e apagava tudo o que poderia ser “subversivo” ou “perigoso” para o regime.

Quintana escrevia para o jornal Correio do Povo e um dos seus textos foi censurado. Acredita-se que esta pode ter sido a motivação por trás do poema, que transmite ideias de esperança e liberdade.

Outra coisa que pode ser relevante é a difícil relação entre Mario Quintana e a Academia Brasileira de Letras. O escritor se candidatou três vezes, entre o final dos anos 70 e começo da década de 80. De todas as vezes acabou sendo preterido face a outros autores.

Naquele tempo, se especulava que os critérios de escolha poderiam não estar apenas relacionados com a criação literária, mas também com questões políticas e sociais.

A este respeito, Quintana declarou:

Só atrapalha a criatividade. O camarada lá vive sob pressões para dar voto, discurso para celebridades. É pena que a casa fundada por Machado de Assis esteja hoje tão politizada. Só dá ministro.

Uma das teorias mais fortes acerca do Poeminho do Contra é a que o encara como uma resposta para os intelectuais e críticos que continuavam questionando a qualidade e o valor do trabalho de Quintana.

Sobre Mario Quintana

Mario Quintana (1906 — 1994) foi um notório poeta e jornalista brasileiro que continua sendo extremamente popular entre o público nacional.

Conhecido como “o poeta das coisas simples”, o autor parece, em cada composição, conversar com o leitor usando uma linguagem coloquial, próxima da oralidade.

Retrato do autor Mario Quintana.

Oscilando entre um tom mais doce ou mais irônico, suas composições muitas vezes carregam reflexões profundas ou até mesmo lições de vida, como é o caso de Poeminho do Contra.

Amado entre os adultos, o escritor também faz sucesso com o público infantojuvenil, para quem escreveu obras de poesia como Nariz de Vidro.

Fonte: Cultura Genial