Arquivo de tag politica

DITADURA DEMOCRÁTICA NO BRASIL – ANTÔNIO DA CRUZ SANTANA

No Brasil, vivemos em um tempo sombrio e de constantes ameaças ou
ataques à democracia brasileira conquistada com muita luta e esforço por heróis
do passado e do presente. Para ilustrar e refletir um pouco mais acerca do texto
recorre-se ao filósofo Antonio Negri, onde ele diz que todas as transformações
que a sociedade tem sofrido, especialmente ao longo do século XX, tornaram
pouco úteis os conceitos clássicos da política. Sua tese central é de que, com a
consolidação do processo de globalização nas últimas décadas daquele século, a
noção de soberania centrada no Estado-nação declinou.

Para ele, assim como para outros filósofos contemporâneos, já não vivemos
a era moderna, e sim uma fase posterior, a pós-modernidade. Apesar de haver
cada vez mais riquezas circulando mundialmente, a desigualdade econômica e os
problemas dela decorrentes muitas vezes foram ampliados. Antonio Negri afirma
que o império não nasce da intenção de alguém ou algum grupo. O império vai se
construindo aos poucos, nos movimentos do jogo político das instituições sociais.
Em outras palavras, o império não é um organismo que se coloca além do
conjunto social, organizando-o e gerindo-o; ele brota do próprio meio social.

Na visão do escritor e poeta Antônio Santana, amar o Brasil, morar no Brasil
e ter orgulho de ser brasileiro\brasileira está cada dia mais complicado. Porque
quando se faz críticas a um determinado governo, instituição, entidade ou
segmentos da sociedade brasileira algumas pessoas dizem que somos
antidemocráticos ou opositores a uma determinada ideologia de qualquer
natureza. Entretanto, existe a ditadura democrática para aqueles\aquelas que
circulam dentro e fora da estrutura do PODER POLÍTICO, que compartilham das
arbitrariedades que porventura surgem naquele espaço o qual poucos fazem parte
das (chamadas panelinhas de governos), ou seja, aqueles\aquelas que se
calam por conveniências pessoais. Contudo, em outros segmentos desta mesma
sociedade, não existe muita diferença quanto ao tratamento no que pode e no que
não pode falar publicamente para não prejudicar a imagem “dos Poderosos”, nos
seus respectivos tronos passageiros no Brasil.

Vale ressaltar, que vivemos ora em um Estado Democrático de Direito, bem
como em outros momentos, em uma democracia ditatorial onde não podemos
nos manifestar ou falar certas verdades que muitas vezes não querem ou não
gostam de ouvi-las. No Brasil, infelizmente ainda vivemos à sombra do
coronelismo esquemático e sistemático que alimentam muitos vícios,
principalmente, o do silêncio. Que às vezes, o não falar significa respeitar e
concordar por medo de se posicionar perante uma tomada de decisão errada ou

equivocada do “chefe”, onde o cidadão é pressionado ou ameaçado a concordar
com o erro ao invés de denunciá-lo à Justiça.

Sendo assim, é mais do que necessário enquanto cidadãos e cidadãs, rever
os nossos conceitos no que diz respeito à palavra DEMOCRACIA, bem como
onde ela inicia e termina na vida em sociedade e de que maneira nós nos
comportamos no seu exercício no território brasileiro. É urgente buscarmos esse
entendimento para não corremos o risco de matarem os nossos sonhos, as nossas
ideologias, impedir a nossa liberdade de expressão, o nosso direito de ir e vir, e o
retrocesso do livre direito de escolha por meio do voto secreto e direto na urna
eletrônica.

O Brasil, não merece voltar ao passado!

Antônio Santana
Escritor e poeta
Condeúba – Bahia

O DIA EM QUE VAIARAM A VITÓRIA DE CHICO BUARQUE: A MÚSICA DE RESISTÊNCIA DE VANDRÉ E O FESTIVAL INTERNACIONAL DA CANÇÃO

654views

O Maracanãzinho é preenchido de palmas. “Olha, sabe o que eu acho? Eu acho uma coisa só a mais: Antonio Carlos Jobim e Chico Buarque de Holanda merecem o nosso respeito! – o público vai à loucura, as palmas se intensificam – A nossa função é fazer canções… a função de julgar, nesse instante, é do júri que ali está – as palmas se convertem à uma onda de vaias direcionadas ao júri – Por favor… – tentando conter as vaias e continuar – Tem mais uma coisa só: pra vocês que continuam pensando que me apoiam vaiando – começam os gritos “É marmelada! É marmelada!” – Gente! Gente, por favor! Olha, tem uma coisa só: A vida não se resume em festivais!“.

GERALDO VANDRÉ FESTIVAL 1967 CENSURA PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DAS FLORES CAFÉ COM POEMAS

Geraldo Vandré no Festival (Reprodução)

É assim que começa a apresentação final de Geraldo Vandré que, com apenas dois acordes, levanta o estádio com seu sucesso “Pra não dizer que não falei das flores”, famoso pelo apelido “Caminhando e Cantando”, ou a “marsellesa brasileira”. Neste momento, Vandré entrou para a História da Música Brasileira.

O momento em questão é o famoso Festival Internacional da Canção de 1968, realizado no Rio de Janeiro, como de costume, premiando as melhores canções da Música Popular Brasileira. Geraldo Vandré e Chico Buarque já eram conhecidos nesses eventos. Vandré se tornou famoso por um desses festivais, em 1966, quando enviou sua música Disparada, na voz de Jair Rodrigues. Chico era a personalidade do momento.

Em 1968, foram para a final duas músicas desses autores: Chico Buarque, associado com Tom Jobim, considerado o melhor músico na época, traz Sabiá, música  apresentada por Cynara e Cybele e que faz alusão à Canção do Exílio de Gonçalves Dias e fala da terra-arrasada e do exílio na ditadura, mas de maneira branda; enquanto isso, Vandré traz sua poesia musicada “Caminhando e Cantando“, que escreveu em um encontro com Hermeto Pascoal, numa clara convocação do povo contra as autoridades que querem mandar e, por isso, contra a ditadura.

Buarque, Jobim, Cynara e Cybele

Buarque, Jobim, Cynara e Cybele (reprodução)

Durante o Festival, ficou claro que a música de Vandré era a favorita. As universidades, as fábricas e as ruas cantavam sua letra e a declaravam hino de sua resistência, marcada pela resistência e pela poesia. Vandré, cada vez mais, era visto como principal artista subversivo pelo regime.

Uma das estrofes de sua música foi lida como afronta direta ao governo (e os grupos de poder que o formava): “Há soldados armados, amados ou não. Quase todos perdidos, de armas na mão. Nos quartéis lhes ensinam a antiga lição: de morrer pela pátria e viver sem razão”. A música de Vandré começa a ser associada à luta pela resistência pela maior parte da sociedade, por mais que Vandré diga que a interpretação dela, por mais que não esteja errada, não é tão simples assim.

No dia 29 de setembro daquele ano, foi consagrada a final do FIC. Porém, antes da conclusão final do júri, dois militares ligados ao policiamento político intervêm na discussão e coloca de maneira clara que Geraldo Vandré não poderia vencer o Festival com aquela música subversiva e claramente política. O clima na época era tenso, às vésperas do decreto que impõe o AI5, e o júri se submeteu à vontade dos interventores.

Na hora de declarar o vencedor da final, o clima era de animação e euforia. Quando o júri declara vencedora a Sabiá de Buarque e Jobim, o estádio volta a se encher de gritos de indignação e confusão. Imediatamente, o público começa a vaiar o júri, Chico, Tom e os policias presentes no recinto. Vandré, já entendido da situação, caminha até o palco, senta no banco, ajeita o microfone e bota o violão no colo. Ele não via sentido nas vaias, declarava que sua música não falava de política, mas sim de amor. Afinal, política se fazia com as mãos, não com a voz.

Geraldo hoje, após renegar seu legado como "Vandré" e Joan Baez (Reprodução) café com poemas

Geraldo hoje, após renegar seu legado como “Vandré” e Joan Baez (Reprodução)

Após acalmar o público com o discurso que marcou a história dos festivais de música, Vandré começa a cantarolar a introdução de sua mais famosa música. As vaias desorganizadas logo se tornam um coro que acompanha a melódica voz do paraibano, que começava “Caminhando e Cantando e seguindo a canção….

Meses depois, o AI5 é decretado. Vandré, contra a própria vontade, sai do Brasil pelo Uruguai e só voltará em 1973, completamente abalado pelo afastamento do país ao qual era tão apegado. Sua música, mais do que o próprio homem, ainda é lembrada pelas pessoas nas ruas. Sua melodia, simples e arquitetada, ainda faz parte do imaginário brasileiro quando se trata de canções de resistência e MPB. E, até hoje, seu ensinamento se faz presente: a vida não se resume em festivais.

Ouça o áudio desse dia marcante:

Fonte: AVENTURAS NA HISTÓRIA 

 

Brasil 2020: 30 linhas insustentáveis

 

 

Desfecho

Se fecho os olhos

Não consigo falar de poesia

Eis a sagacidade do Brasil 2020

Temas e horrores hasteiam a bandeira

Não do nosso Bandeira, mas do bando de lá

Que massacra o Brasil, seus povos originários

Sem origem das maldades que fazem rios sangrar

Sangues de índias, mulheres, mulatas, negras, pobres, elegebetês…

Tudo isso para quê? Sei lá! Vai nas urnas analisar.

 

 

No Nordeste, além de peste, inundaram de óleo o mar

Anestesiada em pesadelo, me olho no espelho

Torno a filosofar: quem dera, fosse Brasil 2015

E eu acordasse de uma vez

Vendo a Democracia caminhar

Aí, meu Deus!

Mas ela em vertigem quase caiu

Derrubando o Brasil que estávamos a embalar

Lá, tudo lá, na casa que devia ser do povo

Servil, civil, bancadas da bíblia, da bala, mas que ele nem pode pisar.

 

Tenho assistido queimarem livros e até o “pulmão do Brasil” (P.Q.P!)

Sou brasileira nata, não mato a mata

Sou da nata correlata que também querem matar

Não sou de brincadeira, poeta marginal, guerreira

Escrevendo mais um grito universal

Das vozes resistentes a relutar

Neste horizonte que em silêncio ecoa

Ecologicamente insustentável

Dessa política ‘biodesagradável’

Escorrendo nos ralos sem rimar…

 

 

Celeste Maria Farias

celestefarias@ymail.com

(Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 08 de fevereiro de 2020)

Antônio Santana: Quanto custa um voto?

Na Grécia antiga, a palavra política ( polítikós) referia-se às questões relativas à vida da cidade.

A política não era uma atividade qualquer: dela dependia a organização cotidiana e o futuro da pólis ( cidade-Estado). Por isso, participar da política era uma atividade constitutiva do cidadão, ou seja, não seria um cidadão se não se interessasse pela política e a praticasse.

No Brasil, vivemos em um Sistema politicamente democrático em que o voto ainda é a nossa principal ferramenta que nos permite fazer escolhas e tomada de decisão que somente acontecem a cada quatro anos por meio de eleições diretas gerais presidenciais ou municipais. É o processo pelo qual permite-nos exercer o nosso voto de maneira livre e consciente ou ( inconsciente) para lutar ou ( desistir) por um município, estado ou país cada vez mais desenvolvido e melhor pra se viver com dignidade e respeito com todos que fazem parte de uma mesma história com capítulos distintos, porém, participes de uma mesma Sociedade.

Para orientar a nossa reflexão, viajei pelas ondas da filosofia abordando duas questões interessantes os valores e as escolhas. Quando temos que decidir entre uma opção é outra, entre duas ou mais possibilidades, nós avaliamos, isto é, comparamos os prós e os contras e atribuímos diferentes valores a cada uma delas. Então, escolhemos aquela que nos parece mais apropriada às circunstâncias analisadas; ou, dizendo de outra forma, escolhemos aquela que nos parece ter mais valor.

Portanto, vender ou trocar o voto como se fosse mercadoria além de ser ilegal e imoral, é contribuir para a continuidade da corrupção onde tanto quem vende como quem compra ou negocia votos, são corruptos. Esses tipos políticos e eleitores, certamente que não têm nenhum compromisso com a sua cidade.

Por isso, antes de garantir ou creditar o seu voto ao candidato ( a) a prefeito ( a) e a vereador ( a), análise as suas idéias, propostas e projetos porque é daí que você perceberá qual a sua intenção no desejo ao cargo. Desconfie sempre daquele ( a) candidato (a) que lhe oferece alguma coisa pois ninguém deve garantir aquilo que ainda não tem.

Diante desta reflexão, cabe-nos perguntar: Quanto custa o seu voto para o município?

PENSE NISSO!

Um grande abraço!

PROFESSOR SANTANA,
Escritor e poeta.
Condeúba – Bahia.

 

Antônio Santana é também Coordenador do Mov. Café com Poemas em Condeúba/BA

Antônio da Cruz Santana nasceu na cidade de Saubara, na Região do Recôncavo Baiano, em 9 de abril de 1971. Em sua cidade natal, fez o curso primário, na Escola Estadual Professor Caio Moura, e o ginásio, no Centro Educacional Cenecista de Saubara.

Leia mais…