Arquivo de tag educação

Monografia e artigo científico. Qual a diferença?

Ao chegar ao final do curso de graduação, o estudante deve decidir o tema do seu trabalho de conclusão de curso e como vai desenvolvê-lo: se em forma de monografia ou artigo científico. O trabalho de conclusão é uma das principais preocupações entre os universitários, já que o TCC é obrigatoriedade para conclusão na maioria dos cursos.

O que é um TCC?

É a abreviação de Trabalho de Conclusão de Curso e aplica-se, principalmente, para estudantes universitários. Ao terminar o curso, seja de graduação ou pós-graduação, o aluno deve apresentar um trabalho de conclusão que utilize todos os conhecimentos adquiridos durante o curso. O TCC poderá ser feito das seguintes formas: monografia, um artigo cientifico, uma tese para cursos de pós-graduação de doutorado, um relatório de estágio ou uma dissertação no caso de cursos de pós-graduação de mestrado. A decisão do tipo de TCC vai depender do curso e da instituição.

Quer saber mais sobre formatação de artigos científicos ou monografias? Leia esse artigo:

Tema de TCC – Como escolher o tema de suas Monografias

 

Acontece que os trabalhos monográficos se dividem em Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) para graduação, monografia para pós-graduação, dissertação para mestrado e tese para doutorado.

O que é uma monografia?

A monografia é um trabalho escrito sobre os resultados de uma pesquisa focalizada em um tema único, uma delimitação de campo ou um recorte de uma realidade. Além disso, a monografia deve seguir um formato e uma estrutura lógica apresentando dados sobre a hipótese criada, a metodologia desenvolvida e os resultados da pesquisa.

O que é um artigo científico?

Já o artigo científico é um trabalho monográfico apresentado de forma sintética e objetiva e pode ser resultado de uma pesquisa independente ou um desenvolvimento acadêmico. O artigo é separado em “acadêmico” e “não acadêmico”. No formato acadêmico deve obedecer aos critérios de pesquisa para sua elaboração e apresentação. Não sendo acadêmico pode ser uma publicação destinada a órgãos ou revistas especializados em determinado assunto. Pode ser, por exemplo, o resultado de uma pesquisa independente.

Referências

Normalmente, esse tipo de trabalho é acompanhado com muita pesquisa e utilização de referências. Portanto, lembre-se que, se o seu trabalho foi baseado em um texto de alguém, coloque sempre o nome e sobrenome do autor, o título original, editora, dados para complementar ou, se falar sobre algum decreto, coloque o nome do país que está esse decreto e os artigos.

 

______________________________________________

Fonte: https://www.epdonline.com.br/

Obs. Não conseguimos identificar a autoria da imagem.

Tema de TCC – Como escolher o tema de suas Monografias

Muitos alunos, ao invés de uma monografia ou mesmo um TCC, devem redigir
um artigo científico, e não sabem a diferença entre os conceitos, ou a função
do mesmo.
Outros pensam que um artigo científico apresenta uma elaboração mais
simplificada, o que não corresponde à realidade.
Apesar de não haver uma regra específica quanto ao número de páginas, um
artigo é menor e mais conciso que uma monografia, propriamente dita,
apresentando um sistema de formatação próprio e relativamente variável, de
acordo com o objetivo do mesmo.
Quer saber mais sobre formatação de artigos científicos ou monografias?

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

Geralmente, cada instituição de ensino, universidade, revista científica ou
entidade determina uma formatação específica para monografias, TCC ou
artigos e a função de tal especificidade advém especificamente do papel do
texto para a mesma.
Assim, ao redigir seu TCC, você deve seguir a formatação específica
necessária. Procure seu orientador, ou então a secretaria da universidade para
maiores informações.

A ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, entidade brasileira de
normatização, tem em sua base as regras de formatação de textos científicos e
acadêmicos. Aliás, se cada universidade ou entidade tem uma formatação
específica, cada uma delas se baseia nas normativas da ABNT.

Foto: ilustração

PAPEL DO ARTIGO CIENTIFICO

Tal como em uma monografia, o papel de um artigo científico,
fundamentalmente, deriva do próprio gênero do mesmo. Via de regra, podemos
dividir os artigos em três gêneros:
– Artigo de revisão bibliográfica – Tal como o nome já indica, artigos
científicos deste tipo são elaborados a partir da análise de referenciais
teóricos ou fontes bibliográficas. Sua função principal é, partindo-se da
síntese e da estruturação conceitual, ampliar o entendimento sobre o tema.
Nas universidades, tais artigos científicos muitas vezes servem para ampliar a
familiaridade do aluno com o conhecimento científico.
– Artigos originais – A principal diferença é que, apesar de também se apoiarem
em fontes bibliográficas, seu papel principal é destacar os resultados de uma
pesquisa prática realizada pelo autor ou pelo grupo de trabalho deste. As
diferenças residem na metodologia de elaboração, que foge do universo da
leitura para a vida prática real.
– Artigos de divulgação – Os artigos científicos de divulgação, como o próprio
nome indica, servem para comunicar ao público alvo algo que seja do interesse
do autor. Estes não são muito comuns nos cursos de graduação e pós-graduação.
A partir dessas diferenças conceituais, pode-se ter uma ideia da complexidade
do trabalho exigido, de modo que, desta forma, um Artigo Científico pode não
ser mais simples ou fácil que uma monografia sobre o mesmo tema.

DIFERENÇAS ENTRE MONOGRAFIA E ARTIGO CIENTÍFICO

Uma das principais diferenças entre monografias e artigos científicos é a
concisão de linguagem a ser utilizada neste último. Um Artigo Científico tem
uma extensão menor que uma monografia sobre o mesmo tema, devendo, por
isso, ser mais sintético. Em uma pesquisa monográfica o autor pode divagar
mais e esmiuçar melhor o assunto, mas este não é o papel do Artigo.
Aqui reside uma das principais dificuldades do Artigo Científico:

  • Como fazer caber, muitas vezes em poucas páginas, as ideias originais
    do autor?
  •  Como ele poderá abordar o necessário em tão pouco espaço?

Isso varia de caso a caso, mas quem já escreveu um Artigo Científico sabe
perfeitamente o quão difícil é você ser obrigado a resumir suas ideias ou seus
resultados.

Da mesma forma, essa diferença ensina, ao autor, a como ser preciso
cientificamente, como selecionar com mais base sua bibliografia de pesquisa,
como avaliar melhor os dados coletados, entre outros aspectos.
E é exatamente por isso que é cada vez maior o número de instituições de
ensino que solicitam a seus alunos a entrega de artigos científicos como TCC
no final do curso e não uma monografia, já que a correção é facilitada pelo
menor texto, que deverá ser muito mais rico e objetivo que em um material
monográfico.
Por sua natureza, a redação de um Artigo Científico pode ser precedida pela
entrega de um projeto de pesquisa, que servirá para delimitar anteriormente as
bases fundamentais da pesquisa a ser realizada e entregue quando da
elaboração do artigo científico.

 

MONOGRAFIA – CONCEITO

O medo comumente sentido por todo estudante, ao precisar escrever sua
primeira monografia, geralmente no final do seu curso de graduação,
independentemente do curso do mesmo, é praticamente universal.
Primeiramente, há um desconhecimento muito generalizado sobre o que seria
a famigerada monografia, de modo que, desta forma, trabalhando-se o conceito
da mesma, ter-se-á melhores possibilidades de sucesso.
Uma monografia significa literalmente, escrita sobre um único tema. A
amplitude do conceito permite milhares de interpretações diferentes, de modo
que qualquer gênero escrito sobre um único assunto pode ser elencado no
conceito de monografias.
Todas as monografias contam, no mínimo, com título, nome dos autores,
resumo, introdução (incluindo objetivos), desenvolvimento, conclusões,
referências bibliográficas, e, também, com indicações de ações e/ou
recomendações de pesquisas futuras.
Assim, vale conceituar, rapidamente, elementos próprios de uma monografia.
O Resumo – Toda pesquisa monográfica deve conter um resumo como um
dos primeiros elementos formadores da mesma. A função deste elemento é
oferecer a qualquer leitor um panorama básico e resumido do que encontrará
no corpo do texto assim como um breve resumo das conclusões mais
importantes.
A Introdução – Este elemento serve para abrir o tema e oferecer elementos
básicos ao leitor para que este compreenda melhor a monografia. Via de regra,
toda introdução de um texto monográfico contém os fundamentos da pesquisa,
os objetivos envolvidos, as hipóteses levantadas e a metodologia.
Desenvolvimento/Referencial teórico – Aqui fica o corpo principal da
monografia, sempre que ela for inerentemente de cunho teórico – bibliográfico.

Foto: ilustração

Este campo demonstra o conhecimento existente sobre o tema do trabalho
monográfico, a partir da lista de bibliografias selecionadas e citadas sempre no
final do texto.
Conclusão – Este é o encerramento do seu trabalho monográfico, a partir de
todos os elementos anteriormente citados.
Referências Bibliográficas – Aqui se situam todas as fontes de pesquisa
utilizadas para a realização do Artigo Científico.
Outros elementos a serem considerados para o sucesso de trabalho são:
Organização – Organização geral e formas de apresentação do trabalho
monográfico
Estrutura – Presença dos elementos discutidos, uso correto das citações
bibliográficas, redação correta.

TEMA DE TCC
COMO ESCOLHER O TEMA DE SUAS MONOGRAFIAS

Inicialmente, antes mesmo de se levar em consideração os fatores envolvendo
o “tema” de um TCC, deve-se refletir profundamente sobre as razões
motivadoras que o levam a querer escrever um texto monográfico.
É uma obrigação, um prazer, por sua própria vontade ou não, ou ainda existe
um resultado a ser obtido: tudo deve ser pesado e levado em consideração
inicialmente.
A partir da definição deste ponto, pode-se passar para uma abordagem mais
direta sobre o tema de sua monografia – o Artigo Científico seu TCC.
Nesta fase, você ainda não terá respostas mas, muitas perguntas:

  • A definição do tema pode ser de livre escolha?
  • Quais as influências ligadas a tal procedimento?

Geralmente, as respostas para esta segunda fase do processo de seleção do
tema estão conectadas de maneira direta às respostas isoladas na primeira
fase.
Aqui, caso tenha a obrigação de redigir um trabalho monográfico devido a
cumprimento de obrigações em seu curso, deverá contar com o auxílio de um
elemento primordial para o seu sucesso: o orientador.
Seu orientador poderá dar a você as diretrizes necessárias para o cumprimento
de suas obrigações, assim como dar base para a seleção mais apropriada.

 

Você pode se perguntar:

  • Eu imaginava que fosse mais fácil selecionar uma temática para o TCC,
    seria escolher o que gosto, ou o que o orientador mandar.

Ora, se você quiser, pode simplesmente fazer isso, mas os riscos são muito
grandes, senão vejamos:

  • Se você descobrir que não gosta do tema no meio do processo será
    mais difícil alterá-lo.
  • O assunto é interessante, mas você pode descobrir no final que não terá
    meios de cumprir o que deveria, por falta de bibliografia ou por outro
    fator.
  • Um problema destes, descoberto tardiamente, poderá atrasar a escrita
    do seu TCC. Assim, dedique-se arduamente à seleção do melhor tema
    para seu trabalho de cunho monográfico.

OS ERROS MAIS COMUNS EM RELAÇÃO A TEMAS DE
MONOGRAFIAS

Lute para lidar de modo racional com esta escolha, pois dois erros são muito
comuns:

  1.  – O primeiro é escolher um tema muito interessante, inovador, cheio de
    pontos ainda por explorar. O resultado, óbvio, é a impossibilidade de terminar
    seu TCC pela falta de elementos bibliográficos ou fundamentadores. Muitos
    estudantes tomam esta atitude por não pensarem nas consequências ou nas
    dificuldades posteriores ou ainda porque querem impressionar seus
    orientadores, amigos ou familiares.
  2.  O segundo é o oposto, recaindo a seleção por um tema muito simples e

“batido”, com várias bibliografias. Você pode passar por um aluno relaxado ou
incapaz.

O melhor é:

  •  Como no budismo, escolha “o caminho do meio”.
    Na maioria dos casos, ninguém espera de você uma monografia a ser
    publicada em um jornal ou a ser vendida em livrarias, assim tente relaxar e
    curtir este momento de sua vida. Tenha fé em si mesmo e conte com a
    orientação e com bons livros.
    Assim, vença o medo inicial, bastante comum a muitos alunos, pois estes não
    sentem possuir a devida autoridade ou conhecimento sobre o que deverão
    tratar em seu TCC. Tenha fé em seu trabalho e sua capacidade, dentro da
    realidade do tema (lembre-se, o caminho do meio).

O PLÁGIO EM MONOGRAFIA E TCC

A utilização de ideias, textos e conceitos de outras pessoas, ou ainda a
expressão ou representação das mesmas como de própria autoria,
propositalmente ou por negligência, na redação de uma monografia é um ato
conhecido como plágio.
O plágio em uma monografia pode ocorrer através de um livro, revista, jornal,
material da internet, obras de arte, estatísticas, textos (escritos ou não), trechos
de materiais de um TCC ou outro gênero de monografia, entre muitos outros.
Exemplo: Para uma ideia mais precisa do conceito, poderíamos, por exemplo,
supor que um grupo de alunos de pós-graduação deverá realizar uma
monografia cada com o tema “OS SUJEITOS DO DIREITO INTERNACIONAL
PÚBLICO”. Com fonte de pesquisa bibliográfica, o orientador de monografias
exigiu que se servissem do livro “Manual de Direito Internacional Público”, de
Hildebrando Accioly (2000, 14 ed., Ed. Saraiva), entre outras fontes.
Nesta obra, todos os alunos localizaram, na página 65 o seguinte trecho:
“Acresce que os países socialistas, com o apoio de parte da doutrina,
defendem a tese de que os Estados continuam a ser os únicos sujeitos do
direito internacional e que os direitos e os deveres de natureza internacional
desfrutados pelas organizações internacionais decorrem exclusivamente da
vontade dos Estados.”
Assim, como exemplo de construção correta de apoio bibliográfico, poderíamos
supor que, na escrita monográfica, adotássemos um dos seguintes modelos:
“Existe uma preponderância, na consideração de que o agente primário do
Direito Internacional seria o Estado, a partir do qual, por sua vontade
discricionária, concede direitos e cobra deveres próprios das organizações
internacionais. Tal corrente de pensamento é suportada primariamente pelos
países socialistas, juntamente com parte significativa da doutrina (ACCIOLY,
2000)”.
Se não houvesse nenhuma citação ao autor Hildebrando no corpo da pesquisa
monográfica, configurar-se-ia o plágio.
Há várias nuances em relação a como o plágio pode ser cometido em um TCC
ou qualquer outro tipo de monografia. O mesmo vai variar de acordo com o
grau de apropriação que o autor do texto monográfico terá sobre a ideia ou o
texto original da fonte bibliográfica.

Quanto à penalização do plágio em monografias, ela pode variar de
acordo com as instâncias. Na grande maioria das instituições, o plágio
acadêmico em um TCC ou qualquer outra forma de monografia
significará, sem dúvida, a reprovação na disciplina, atrasando sua
formatura em um semestre ou até um ano.

Legalmente, o plágio é crime, já que se trata da expropriação dos direitos de
um terceiro, punível mesmo com prisão.

 

______________________________________________
FONTE: http://www.monografiaultra.com.br/artigocientifico.html

Obs. Não conseguimos identificar a autoria de todas as imagens.

Dicas de Português na Quarentena: Desvios de Linguagem (Queísmo) – Prof.ª Renata Barcellos

467views

 

Renata Barcellos tem graduação em Letras/Francês, pela Universidade Federal Fluminense (1996), mestrado em Letras  (2003), doutorado em ESTUDOS DE LINGUAGEM pela mesma Universidade (2008) e Pós-doutorado em Língua Portuguesa pela UFRJ (2015).
Atualmente ela é  professora na UNICARIOCA de Comunicação, Expressão e de Oficina no Colégio Estadual José Leite Lopes. Também leciona Língua Portuguesa, Literatura Brasileira e Produção textual no Colégio Estadual Chico Anysio.
Renata é autora das obras “Gramática contextualizada”,  “Itens do Novo Enem”, “Barcellos em prosa e verso” e “Barcellos e Viana: um encontro”. Também é coautora de Antologias poéticas e de diversos artigos sobre o ensino da Língua Portuguesa, além de ser também colunista do Portal Sem Fronteiras (BarcellArtes) e do Pauta Nossa (Agenda Cultural ).
As informações foram tiradas Escavador.
Conheça o seu canal no YOUTUBE 
E seu perfil no INSTAGRAM

Dicas de Português na Quarentena: Pontuação – Prof.ª Renata Barcellos

Renata Barcellos Barcellos tem graduação em Letras/Francês, pela Universidade Federal Fluminense (1996), mestrado em Letras  (2003), doutorado em ESTUDOS DE LINGUAGEM pela pela mesma Universidade (2008) e Pós-doutorado em Língua Portuguesa pela UFRJ (2015).
Atualmente ela é  professora na UNICARIOCA de Comunicação, Expressão e de Oficina no Colégio Estadual José Leite Lopes. Também leciona Língua Portuguesa, Literatura Brasileira e Produção textual no Colégio Estadual Chico Anysio.
Renata é autora das obras “Gramática contextualizada”,  “Itens do Novo Enem”, “Barcellos em prosa e verso” e “Barcellos e Viana: um encontro”. Também é coautora de Antologias poéticas e de diversos artigos sobre o ensino da Língua Portuguesa, além de ser também colunista do Portal Sem Fronteiras (BarcellArtes) e do Pauta Nossa (Agenda Cultural ).
As informações foram tiradas Escavador.
Conheça o seu canal no YOUTUBE 
E seu perfil no INSTAGRAM

FGV, Senai e Udemy oferecem cursos online gratuitos para fazer durante a quarentena

Se você está em busca de estudar gratuitamente sem precisar sair de casa para impulsionar sua carreira e adquirir mais conhecimentos, saiba então que a FGV (uma das melhores faculdades do Brasil) oferece diversos cursos online gratuitos, abertos a todas as pessoas, sem restrições, com emissão de declaração de participação incluindo 5 cursos em espanhol.

São 55 cursos online gratuitos em diversas áreas de conhecimento para você escolher e impulsionar sua carreira. 

Clique AQUI para saber mais sobre os diversos cursos oferecidos.

SENAI

Já o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) tem disponível um total de 12 cursos totalmente gratuitos em sua plataforma de ensino online. Se você quer impulsionar sua carreira e carimbar mais conhecimentos no currículo, aproveite esta oportunidade!

Todos os cursos têm certificação ao final, é uma excelente forma de dar um UP no currículo e ainda gerar horas complementares na faculdade. O aluno receberá o certificado somente se obtiver até 70% de aproveitamento durante o curso. Após ser aprovado, o próprio estudante emite o documento via web.

A metodologia da Educação a Distância é bastante flexível em relação ao tempo diário de estudo. Assim, os treinamentos são planejados a partir de um cronograma de atividades que contempla todas as etapas que os alunos devem cumprir, o que exige disciplina e comprometimento.

Conheça AQUI os cursos que o Senai tem para oferecer.

UDEMY

A Udemy, uma plataforma de curso online voltada para quem deseja estudar sem sair de casa, libera 40 cursos gratuitamente da área de programação e tecnologia. O site do serviço permite aprender com aulas grátis ou pagas, ou ainda ensinar sua própria aula.

Saiba mais AQUI sobre os cursos pagos que estão de graça na Udemy.

 

 

 

ENCONTRO COM OS ALUNOS DO COLÉGIO ADELMÁRIO PINHEIRO – POR LEANDRO FLORES

1 de ago. de 2018 22:18

Recentemente, fui convidado para um bate-papo com os alunos do Colégio Adelmário Pinheiro, no povoado da Feirinha, município de Condeúba-BA.

O convite partiu do professor e coordenador, Rubens Ribeiro, quando eu ainda estava em Salvador. A gente se conhece há muito tempo e o projeto de eu ir à escola no qual ele leciona é antigo. Por conta das minhas andanças pelo Brasil a fora, o encontro quase nunca dava certo. Até que ele me convidou novamente e como eu já estava em Condeúba, acabou dando certo.

E olha, foi uma experiência muito boa, viu. No momento da “palestra” um dos alunos até me perguntou qual evento que eu tinha ido e que tinha mais gostado. A resposta foi instantânea e verdadeira: era aquele evento… Por mais que eu já tivesse feito isso diversas outras vezes, principalmente em Salvador, Belo Horizonte (nos centros culturais e em escolas públicas), Rio de Janeiro e outros lugares, aquele evento no Colégio Adelmário Pinheiro era especial.

A começar, porque foi em minha própria terra. Condeúba é um lugar que me viu crescer, onde eu tenho um profundo carinho e até certas doses (exageradas, por sinal) de paixão. Foi aqui (ou lá) onde publiquei o meu primeiro livro, onde me inspirei para criar diversos personagens e poemas, foi onde enfrentei as maiores dificuldades (que me fizeram crescer, evidente), onde tenho meus amigos, minha família, enfim… Condeúba é um lugar que conta muito de mim, onde eu conto muito também (da cidade) por onde eu vou… afinal de conta, é aqui o lugar onde partilho dos maiores desafios (tanto no passado, no presente e, quem sabe, no futuro).

Foi uma tarde sensacional, onde tive o privilégio de falar sobre as minhas experiências como poeta e escritor, ao longo desses 10 anos de dedicação à literatura, falar das minhas obras, dos meus projetos e sobre diversos outros temas.

Os alunos, sempre bem atentos, faziam perguntas e mostravam também os seus talentos. Descobri, por exemplo, que alguns deles já haviam participado de um projeto de leitura nacional e até publicado alguns trabalhos. Vi o quanto, principalmente sobre orientação da professora Rosângela, eles produziam trabalhos (artísticos diversos). Teve até uma pequena encenação (adorei essa parte) de um aluno com o meu nome. E o pior é que o guri parecia realmente comigo (risos).

O colégio era muito bem avaliado (pelo IDEB, inclusive), como confessou a Diretora Delma Nascimento (que, coincidentemente, foi minha colega do ensino médio, juntamente com outros professores que eu tive o prazer de revê-los).

Saí de lá com as melhores impressões; dos alunos, dos professores, do colégio, da administração, enfim, de todos.

Voltaria mil vezes, como eu disse (com gratidão) a um aluno de tão proveitoso que foi esse encontro.

É isso que espero para a educação do meu país, da administração da minha cidade. Condeúba (e agora Cordeiros também) é uma cidade privilegiada por produzir bela referência na cultura (principalmente na literatura). Mas também precisa passar por essa valorização para que haja sempre belas histórias para contar (e, quem sabe, publicar). Existem muitos talentos a serem lapidados, incentivados, acolhidos e valorizados na região. Basta apenas uma oportunidade, um olhar com atenção e esses talentos aparecem (e ficarão para sempre na história porque as escritas nunca morrem, assim como os poetas também não).

Confira algumas fotos:

Leandro Flores é fundador e produtor de todos os Projetos ligados ao Café com Poemas.

Jornalista, Sertanista, Comendador, Poeta, Editor de Livros e Revistas e Designer Gráfico. Leandro é autor dos livros “Sorriso de Pedra – A outra face de um Poeta” e “Portfólio: Traços e Conceitos”.

É membro-fundador da Academia de Letras do Sertão Cultivista, membro da CAPPAZ – Confraria Artistas e Poetas pela Paz, além de outras instituições Acadêmicas pelo país. Também é Coordenador e Idealizador do Movimento Cultivista Brasileiro e do Projeto Cartas e Depoimentos. Já fez participações em dezenas de antologias poéticas, além de ORGANIZAR e AUXILIAR outras publicações. Leia mais…

A incrível história do garoto de 12 anos que fundou sua própria escola

Leonardo Nicanor Quinteros, ou apenas Nico, tem 12 anos e já criou a sua própria escola. Com o nome de “Patria Unidad”, o colégio oferece educação gratuita para jovens de San Juan, na Argentina.

Segundo uma reportagem do Clarín, o menino sempre foi um bom estudante e, em um local cedido pela avó Ramona, criou a escola com os poucos recursos que tinha. Na instituição, ele cumpre as funções de professor e diretor.

As aulas no Patria Unidade começam quando Nico volta da escola e se prepara para dar aulas. É em uma casinha de adobe ao lado de sua residência que ele auxilia outras crianças a entender as matérias com as quais tem dificuldade na escola.

O projeto já funciona há quatro anos em um bairro simples e com estrutura mínima. Apesar disso, Nico não desanima e oferece aulas a todos os interessados em estudar.

Em um vídeo para o Tiempo de San Juan, o garoto conta que seu sonho é fazer uma licenciatura para se tornar professor. Alguma dúvida de que ele chega lá?

Veja o vídeo abaixo!

https://www.youtube.com/watch?v=vVs1bvz-43k&feature=emb_title

 

P.S. Esse artigo é uma reprodução do site hypeness e as imagens são de pesquisa livre na internet. Não conseguimos identificar a fonte exata de autoria. 

Ensine teu filho a dizer a verdade e a assumir os próprios erros

788views

Quer deixar algo para o mundo? Deixe um filho responsável e honesto.

Se para, nós, adultos, que conseguimos diferenciar entre o bem e o mal, é difícil assumir nossos erros, imagine o quão difícil pode ser para seu pequeno. Mas, não se preocupe, vamos mostrar a você como ensinar seu filho a assumir os erros à medida que cresce.

Assumir os erros não será fácil para as crianças. Mas parte de desenvolver a capacidade de reconhecimento e aceitação dos equívocos está ligada à integridade humana.

 

RECOMENDAMOS TAMBÉM ESTA LEITURA:

 

Atenção pais! Criança não tem obrigação de beijar ou abraçar ninguém

 

Se seu filho sabe aceitar que não agiu bem, será uma pessoa mais responsável com cada uma de suas ações e aprenderá que se agir mal, pode afetar as pessoas ao seu redor.

Reconhecer que agimos mal ou falhamos não é tão simples quanto parece. Às vezes, nos negamos a fazer isso por vergonha ou orgulho. De qualquer forma, isso não é bom.

Errar e assumir os próprios erros

por Pixabay 

“Errar é humano, mas reconhecer o erro é para os sábios”.

Essa frase é tão simples quanto verdadeira. É verdade que todos nós estamos expostos às falhas, mais ainda quando uma criança experimenta novas emoções, conhece e se relaciona com outras. Mas entender e assumir os erros ainda quando são pequenas, as ajudará a serem pessoas melhores no futuro.

Como seu filho não sabe reconhecer a diferença entre o bem e o mal, os pais desempenham um papel fundamental como orientadores durante toda a fase de crescimento. Nesse caminho, no qual tratamos de orientar nossos filhos da melhor forma possível, devemos lembrar que mamãe e papai é um modelo irrefutável a seguir.

Para seu filho, o que você fizer estará certo. Ele imita você por natureza, por instinto. É aí que se encontra a importância de agir conforme os valores e princípios que queremos que nosso filho desenvolva.

Dicas para ajudar a criança a admitir suas falhas

Imagem de Daniela Dimitrova

É importante que os nossos filhos se deem conta dos erros que cometem durante o seu crescimento e os corrijam a tempo. Por esse motivo, damos a você algumas recomendações que podem facilitar para ambos a dinâmica do reconhecimento de nossos próprios atos.

  • Dê o exemplo. Se foi você quem cometeu o erro, reconheça-o diante da criança. Converse com ela a respeito disso.
  • Muitas vezes, quando somos pais, temos medo de assumir um erro, porque acreditamos que perderemos autoridade, credibilidade ou respeito diante de nossos filhos. Mas a verdade é que assumir que cometemos uma falha é um ato de coragem e, claro, de sabedoria. O reconhecimento do erro se transforma em um ato de humildade.
  • Ensine ao seu filho que ele tem direito de errar. Seu filho não tem razão para ser perfeito e deve saber disso. Faça-o saber que também se aprende com os erros. Isso criará um antecedente para ele, e o ajudará a não repetir, novamente, a mesma falha.
  • Assumir também é amadurecer. Converse com seu filho, mostre-o que assumir um erro faz com que ele seja uma pessoa mais madura, em crescimento e consciente de que embora tenha falhado, sempre pode escolher fazer o bem o corrigir seu erro.
  • Valorize o lado bom da ação cometida. Ensine seu pequeno a ver o lado positivo das situações. Tudo que acontece ou que faz é uma experiência da qual ele pode tirar proveito, um novo aprendizado.
  • Ajude seu filho a tomar a melhor decisão. Perante determinada situação, é possível que seu pequenino precise de seu apoio para tomar uma decisão. Oriente-o, mas lembre-se de que você deve deixá-lo decidir. É ele quem deve determinar qual ação vai tomar. Se ele se equivocar, saberá que é preciso assumir o erro e se responsabilizar por ele.
  • Elogie a habilidade dele de reconhecer os próprios erros. Avalie que seu filho faz um esforço para enfrentar seu erro, em vez de lembrá-lo do mal que fez.
  • Ensine-o a se desculpar. Faça-o entender que pedir desculpas não é um fracasso, nem tem porquê ferir ou abalar a autoestima dele. Pelo contrário, o torna uma criança corajosa e capaz.

Fazer com que o seu filho assuma os próprios erros não só o tornará um ser humano mais consciente de tudo que faz, mas também o fará ser uma pessoa mais humilde e justa.

Obs. Não conseguimos identificar a autoria de algumas imagens 

 

*Este artigo foi uma reprodução do site Sou Mamãe.

Paraibano de 9 anos tem maior nota do país e leva medalha de ouro em olimpíada de robótica

Além da primeira colocação, o estudante recebeu a certificação de maior nota nacional e certificados de honra ao mérito nos níveis nacional, estadual e municipal.

O estudante paraibano Yan Gabriel Santos Rodrigues da Costa, de 9 anos, conquistou medalha de ouro na olimpíada brasileira de robótica 2019, na modalidade teórica. Aluno do 3º ano do ensino fundamental em uma escola particular de Campina Grande, além de primeiro colocado, recebeu a certificação de maior nota nacional e certificados de honra ao mérito nos níveis nacional, estadual e municipal.

➤ Leia também:

Conheça Esther, a menina prodígio em matemática que se matriculou aos 10 anos numa universidade

Esta é a terceira vez consecutiva que o menino alcança o primeiro lugar nacional numa olimpíada científica, antes foi medalhista em olimpíadas de astronomia e aeronáutica. Em entrevista à TV Cabo Branco, o pai de Yan, Leonardo Costa, contou que desde cedo o garoto demonstrou gostar de robótica, tecnologia, astronomia e física.

“Nós começamos a ver o diferencial dele ainda quando ele ainda nem sabia ler mas já identificava marcas de carro, placas. A partir buscamos maneiras de o estimular,” afirmou Leonardo.

Segundo os professores do menino de 9 anos, Yan tem facilidade de aprender e interagir, além de uma boa capacidade de entendimento. Há 3 anos, o menino participa e conquista bons resultados em olimpíadas brasileiras de astronomia, astronáutica.

Esse ano, Yan disputou pela primeira vez, com alunos de todo o país, a olimpíada nacional de robótica. A mãe do garoto comemorou a vitória. “Estou com muito orgulho. Não tem outro adjetivo para enquadrar. Foi uma surpresa pela questão das notas, estamos muito felizes e ele também”, declarou Iara Santos.

O aluno está classificado para a Etapa Regional da Olimpíada Brasileira de Robótica (modalidade prática), que será realizada este mês no Rio Grande do Sul, e foi convidado a participar da Olimpíada Internacional de Robótica.

Veja a reportagem:

https://www.youtube.com/watch?v=Vw-uGGje5c0
Além da primeira colocação, o estudante recebeu a certificação de maior nota nacional e certificados de honra ao mérito nos níveis nacional, estadual e municipal.

As informações são: G1 – Paraíba

Obs. Não conseguimos identificar a autoria das imagens